Rui Rio acusa Governo de “irresponsabilidade política” na redução do horário de trabalho na Função Pública

O líder social-democrata defende que não foram criadas condições para que esta medida fosse aplicada, penalizando os portugueses, sobretudo, a área da Saúde.

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, acusa o Executivo de António Costa de “irresponsabilidade política” na redução do horário de trabalho na Função Pública. O líder social-democrata defende que não foram criadas condições para que esta medida fosse aplicada, penalizando os portugueses, sobretudo, a área da Saúde.

À margem de uma visita ao Funchal, Rui Rio disse que não vê problemas de ordem constitucional na redução do horário de trabalho na Função Pública de 40 para 35 horas semanais, mas sim “problemas iminentemente de gestão política”. “A partir do momento que o Governo quer reduzir de 40 para 35 horas semanais o horário de trabalho dos funcionários públicos tem que ter condições para o fazer”, disse.

“Não tem condições para o fazer, tem de arranjar as condições antes de o fazer”, afirmou, dando conta de que esta situação vai afetar sobretudo o Sistema Nacional de Saúde (SNS). “É uma irresponsabilidade do ponto de vista político”, reiterou.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários