Russos exigem apuramento de responsabilidades no incêndio em centro comercial da Sibéria

Os protestantes alegam que a falta de medidas de segurança terá contribuído para o elevado número de mortes e exigem que sejam apuradas responsabilidades. Há a suspeita de que um técnico de segurança terá desligado o sistema de alarme, após ser alertado sobre o incêndio.

Reuters

Centenas de pessoas estão esta terça-feira em protesto na cidade russa de Kemerovo, na Sibéria ocidental, na sequência do incêndio que este domingo deflagrou num centro comercial e levou à morte de pelo menos 64 pessoas, 41 delas crianças. Os protestantes alegam que a falta de medidas de segurança terá contribuído para o elevado número de mortes e exigem que sejam apuradas responsabilidades.

As primeiras investigações indicam que o alarme anti-incêndios do edifício não foi devidamente acionado, o que terá feito com que muitas das pessoas ali presentes nem se apercebessem do incêndio. O fumo denso cobriu entretanto o edifício e muitas pessoas ficaram impedidas de sair devido ao bloqueio das portas e à falta de uma evacuação organizada. Há a suspeita de que um técnico de segurança terá desligado o sistema de alarme, após ser alertado sobre o incêndio.

Os bombeiros demoraram mais de seis horas para controlar as chamas que se alastraram pela superfície de 1.500 metros quadrados. O último balanço de vítimas aponta para pelo menos 64 mortes, das quais 41 são crianças. No entanto, teme-se que o número possa vir a aumentar. Este é já apontado como um dos mais violentos da Rússia desde a desintegração da União Soviética.

“O que está a acontecer aqui? Isso não é guerra, não é uma explosão espontânea de metano. Estamos a falar de demografia e perder da perda de tantas pessoas. Por quê? Por causa de negligência criminal, por causa do desleixo. Como isso poderia acontecer?”, questionou o presidente russo, Vladimir Putin, de visita ao local do incêndio.

Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários