Santander e seguradora holandesa Aegon fazem parceria em Espanha

O acordo prevê que o grupo sediado em Haia se torne parceiro de seguros em Espanha. O banco espanhol estima que o impacto do negócio no capital CET1 ‘fully loaded’ e na demonstração de resultados do grupo “não seja significativo”.

O Banco Santander anunciou esta terça-feira que chegou a um acordo com o grupo holandês de seguros Aegon, para que a empresa se torne no futuro parceiro de seguros da entidade em Espanha no segmento de vida e de outras áreas de seguros gerais após a integração do Banco Popular espanhol, através de um comunicado trasmitido pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Os termos finais e o perímetro sob o qual o acordo com a Aegon será realizado estão sujeitos a várias condições e ao processo de encerramento da aliança entre o Banco Popular e o grupo Allianz em Espanha, portanto, não é possível determinar com certeza neste momento o resultado de tais operações. No entanto, o Banco Santander estima que o seu impacto combinado no capital CET1 fully loaded e na demonstração de resultados do grupo não seja significativo”, refere a nota tornada pública esta manhã.

Segundo a informação transmitida pelo maior banco espanhol ao regulador do mercado, a parceria com a Aegon, sediada na cidade holandesa de Haia, foi alcançado “após um processo em que vários grupos de seguros participaram”. Contudo, a instituição bancária presidida por Ana Patrícia Botín não revelou as empresas que estiveram na corrida.

Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários