Santander recupera negócio de cartões de crédito e débito do Popular

O banco espanhol anunciou esta segunda-feira a venda da sua participação de 49% na WiZink ao fundo de capital de risco Varde.

O Banco Santander acordou a compra do negócio de cartões de débito e crédito do Banco Popular, que tinha sido integrado na WiZink, anuncioua  instituição financeira, esta segunda-feira, 23 de março.

Em comunicado divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Santander explica que vai vender ao fundo de capital de risco norte-americano Varde Partners a participação de 49% que tem no WiZink.

Seguidamente, as subsidiárias espanhola e portuguesa – Banco Popular e Banco Santander Totta – “vão adquirir o negócio de cartões de crédito e débito comercializados pelo Popular em Espanha e Portugal, que o WiZink adquiriu em 2014 e 2016 ao Popular”.

O Santander prevê que as transações estejam concluídas no segundo semestre deste ano. “Com estas operações, o grupo Santander retoma o negócio dos cartões de crédito e débito do Banco Popular, o que permite melhorar a estratégia comercial e facilita o processo de integração do BancoPopular”, justifica o maior banco espanhol, na mesma nota.

A instituição bancária liderada por Ana Botín adiantou ainda que espera que o efeito líquido das duas operações tenha um impacto no seu rácio CET 1 fully loaded de aproximadamente 10 pontos base positivos, mas sem efeitos consideráveis nos resultados do grupo.

As ações do Banco Santander estão a negociar em terreno positivo na bolsa espanhola, subindo 0,21%, para 5,191 euros.

Ler mais
Relacionadas

Ana Botín abre a porta a novas compras após a aquisição do Banco Popular

O Santander aproveitou a AG para apresentar uma renovação da sua marca. A primeira em dez anos. No qual mantém tanto a cor, o nome e a chama que é o seu logotipo. “O nome de Santander, a cor encarnada e a chama” transmitem força, solidez e confiança “, disse Ana Botín. A intenção do grupo é unificá-la mundialmente.

Santander Totta vai alterar designação para Santander Portugal

O banco explica que a marca foi atualizada – com pequenas alterações no lettering e no símbolo –, num processo que tem como objetivo o “reforço da eficácia comunicacional, muito em especial em todas as plataformas digitais”.

Bancos europeus vêem em média o rácio de capital ‘core’ degradar-se 24 p.b. com IFRS 9

A consultora Mazars utilizou uma amostra de 30 bancos europeus que fazem parte do índice STOXX Europe 600, e onde não consta nenhum português. A conclusão é clara, o impacto médio no Rácio de Capital CET1 é de -24 pontos base, mas pode variar entre os cerca de -100 e +30.

DBRS diz que bancos espanhóis estão melhores

A DBRS considera que a rentabilidade dos bancos espanhóis deve beneficiar ainda mais das menores provisões para crédito e outros ativos, tendo em conta as provisões significativas constituídas nos últimos dois anos, bem como as boas condições económicas e do setor imobiliário em Espanha.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários