Santo António: Bloco de Esquerda distribui sardinhas… com várias queixas

“Numa cidade partilhada podemos andar de transportes, não somos sardinha enlatada, já chega destes cortes!”, lê-se numa das sardinhas de cartão distribuídas pelo Bloco, durante os Santos.

O Santo António está a espreitar e as sardinhas são um dos símbolos das festas de Lisboa, que decorrem durante o mês de junho.

O Bloco de Esquerda decidiu aproveitar a época festiva para espalhar sardinhas em cartão, onde no verso representam algumas das maiores queixas do partido à situação do país. Pode ler-se, por exemplo: “Numa cidade partilhada podemos andar de transportes, não somos sardinha enlatada, já chega destes cortes!”. A mensagem do BE é clara: “O Bloco quer transformar os transportes num meio mais eficaz e acessível para circular em Lisboa”.

Noutra sardinha pode ler-se a queixa do Bloco à situação de arrendamentos na capital. “Numa cidade partilhada todos podem lá morar, a gente não é despejada e o turista vem visitar”, “O Bloco quer uma bolsa municipal de arrendamento”.

“Numa cidade partilhada o trabalho é a valer, um contrato não é maçada, a precariedade é p’ra esquecer”. O Bloco, nesta sardinha, explica que quer que “Lisboa seja um município de ‘precariedade zero’. A Câmara Municipal não pode ter precários, nem contratar empresas que não respeitem os seus trabalhadores”.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários