Saturnino na Assembleia do BCP, António Mexia ausente

O presidente da Sonangol está na sala da Assembleia Geral do BCP. Carlos Santos Ferreira, ex-CEO, também está presente. Foi notada, no entanto, a ausência de António Mexia, que ainda é administrador do banco mas não está na lista para o novo mandato.

Cristina Bernardo

A Assembleia Geral do BCP decorre com metade dos 10 pontos aprovados. Incluindo o polémico ponto cinco “deliberar sobre a política interna de seleção e avaliação de adequação dos membros dos órgãos de administração e fiscalização” que passou com votos a favor de 99,47%.

As contas e a aplicação de resultados, um com 99,9% dos votos presentes e outro com 99,996%, e a apreciação à administração com 99,65% dos 63% de votos presentes. Isto às 17 horas, depois de um discurso de Nuno Amado e respostas deste aos acionistas que demorou quase duas horas.

O ponto quatro da agenda, que é sobre a política de remuneração dos membros dos órgãos de administração e fiscalização, foi aprovado com 98,94% dos votos.

O ponto seis – deliberar sobre a politica interna de seleção e avaliação da adequação dos membros dos órgãos de administração  e fiscalização – votado com 99,47% dos pontos a favor.

Quem é que marcou presença numa AG que elege os órgãos sociais para um novo quadriénio?

Carlos Saturnino (presidente da Sonangol) é o mais notado da reunião. A Sonangol que tem quase 20% do BCP é a segunda maior acionista. Da Fosun estão vários representantes, incluindo Jorge Magalhães Correia, Wan Sin Long, a Xiao Xu Gu e o Xu Lingjiang.

Carlos Santos Ferreira está também presente. O ainda presidente do Conselho Estratégico do BCP participa na Assembleia do banco que presidiu antes de Nuno Amado.

A grande ausência é António Mexia, tradicionalmente presença assídua nestas reuniões.

Para além dos administradores estão na sala André Luiz Gomes e Álvaro Barreto, que fazem parte do board que cessou o mandato no fim de 2017. António  Rodrigues, ex-administrador do BCP, e Manuel Fino também estão na reunião.

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral é Pedro Rebelo de Sousa.

[Atualizada às 18h19]

 

Ler mais
Relacionadas

Trabalhadores do BCP contestam pagamento extraordinário de 4,9 milhões aos administradores

O ponto 5 promete ser o mais polémico da reunião. Estão presentes na Assembleia cerca de 63% do capital do BCP.

BCP: Miguel Maya vai focar-se na rentabilidade e Nuno Amado na supervisão

Nuno Amado terá funções de controlo e supervisão, acompanhamento, relação com as comissões e relação com os acionistas. Será vice-presidente não executivo quer na Polónia, quer em Moçambique. Miguel Maya será o CEO, focado na rentabilidade, eficiência digital e crescimento. Orgânico e por aquisições.

Miguel Maya: história da ascensão do sexto presidente do BCP

É um banqueiro que vem da área do retalho. Antes de ser proposto para administrador por Pinhal, era o responsável pela Direção de Inovação e Desenvolvimento do produto. Filipe Pinhal, que foi o primeiro que lhe reconheceu o mérito, diz sobre Miguel Maya: “É muito rigoroso e faria bem qualquer função”.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários