Saúde à beira da eutanásia

Na antecâmara da discussão do Orçamento do Estado para 2019 e do debate da nova Lei de Bases da Saúde, a Saúde ameaça tornar-se o cavalo de batalha dos próximos meses.

Apesar da grave carência de pessoal, continuam a faltar pelo menos 6.000 profissionais – médicos, enfermeiros e técnicos auxiliares –, e de 54% dos médicos no activo terem mais de 55 anos, o governo decidiu avançar com a medida das 35 horas provocando o caos.

Desde dia 1 de julho que alguns milhares de profissionais de saúde passaram do regime das 40 para as 35 horas de trabalho semanais, tendo o ministro assegurado que, até ao fim do mês, a medida vai estar implementada em todos os hospitais. Para tal, o Ministério da Saúde avançou com a contratação de cerca de 2 mil profissionais para cobrir as necessidades. Depois, decidiu criar uma comissão para avaliar o impacto económico da medida. Vou repetir, depois, apesar do galopante crescimento das dívidas da Saúde de montante elevado. Primeiro implementam medidas, depois contratam, e, no fim, fazem as contas para perceber o que andaram a decidir de forma cega.

Resultado? A nível nacional, há serviços à beira da ruptura, profissionais sobrecarregados e operações adiadas.

O estabelecimento das 35 horas é a consequência de decisões capitais para o país serem tomadas em função de acordos político-partidários, em prol da boa saúde da geringonça, em vez de uma estratégia eficiente da administração pública.

Demissões por falta de condições nos hospitais e centros de saúde, falta de recursos humanos e deficientes condições de segurança, são alguns dos problemas que têm ocupado as notícias esta semana e alguém está a mentir – o ministro da Saúde diz que 98% das camas do SNS não registam instabilidade com as 35 horas, mas as notícias contrárias à (in)capacidade de resposta nos internamentos sucedem-se. O Hospital de Chaves perdeu 48 camas e a Unidade Local de Saúde da Guarda foi obrigada a fechar a unidade de cuidados intermédios de Cardiologia e a reduzir camas em Cirurgia, Ortopedia, Pneumologia e Pediatria.

Mas a saga continua. Depois de vermos o atendimento de crianças no corredor no serviço de oncologia do Hospital de São João no Porto, será que uma das batalhas passa por desbloquear o projecto de construção de nova ala pediatria naquela unidade hospitalar, no valor de 22 milhões de euros, que se encontra há dois anos à espera da assinatura das Finanças? Não, o objectivo é lutar pela construção de novos hospitais, acabar com as taxas moderadoras e o pagamento de transporte de doentes não urgentes. E quem é que vai pagar isto tudo?

Num país onde se pode esperar anos por uma simples consulta de ortopedia e ainda esperar outro tanto para uma operação, torna-se desnecessário o debate sobre a eutanásia. Antes disso já o sistema de saúde colapsou e morremos todos.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Já foi mais fácil ser banqueiro

A manutenção dos juros baixos obriga os bancos a enfrentar os crescentes desafios das ‘FinTech’ e da digitalização numa posição desconfortável, a perder negócio e com as margens sob pressão.

Matérias inflamáveis

Os ‘três F’ – futebol, fado e Fátima – que sobreviveram à queda do anterior regime como símbolos da pacificação dos portugueses – deveriam na verdade ser quatro. Quem tenta tirar ou perturbar as nossas férias está a brincar com coisas sérias. Em ano de eleições, era expectável que a habitual silly season que costuma […]

De Blade Runner ao algoritmo das emoções

O rápido progresso em ‘machine learning’ deveria ir além do mercantilismo puro e refletir sobre o grande arco moral, ético, filosófico e sociológico das nossas proezas como criadores.
Comentários