Saúde e educação saem reforçadas em 2015

Segundo o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, em 2015, será reforçado o protocolo de cooperação com as instituições sociais, alargando as respostas sociais à saúde, educação e formação profissional. A ser ouvido na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública (COFAP), Pedro Mota Soares disse que no próximo ano, graças ao reforço da […]

Segundo o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, em 2015, será reforçado o protocolo de cooperação com as instituições sociais, alargando as respostas sociais à saúde, educação e formação profissional.

A ser ouvido na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública (COFAP), Pedro Mota Soares disse que no próximo ano, graças ao reforço da verba para a ação social, haverá “um expressivo contributo para as instituições sociais”.

“Este ano iremos alocar mais 50 milhões de euros para esta rubrica, que, com o montante do Programa de Emergência Social, sobe a 1989 milhões de euros”, disse Mota Soares.

Segundo o governante, isso irá permitir “reforçar já para o ano o protocolo de cooperação” e aprofundar “o novo paradigma de resposta social”.

“Pela primeira vez integrará a saúde, a educação e a lógica de formação e emprego”, disse o ministro, justificando que “são todas áreas em que estas instituições atuam” e que “em todas elas deve haver parcerias com o Estado”.

Relativamente ao Fundo de Reestruturação do Setor Solidário, Mota Soares aproveitou para revelar que os 30 milhões de euros definidos irão “chegar brevemente” às 99 entidades cujas candidaturas foram aprovadas em concurso.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.