Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.

Empresas com negócios na área da saúde preparam-se para criar 19 hospitais privados em Portugal até ao final de 2020, num investimento total de 750 milhões de euros, de acordo com o noticiado pelo “Diário de Notícias” (DN) esta sexta-feira, 2 de agosto. Atualmente, num universo de 225 hospitais existem 114 unidades privadas no país.

O jornal da Global Media escreveu que vive-se um momento de confiança no setor privado da área da saúde devido, em parte, à “descrença no serviço público”. No último iniciaram operação oito unidades hospitalares e até ao final do próximo ano está prevista a abertura de mais cinco unidades, sendo que há ainda três projetos  de hospitais privados sem data de abertura prevista.

A criação de 19 novos hospitais traduzem-se no reforço da oferta nas grandes cidades, como em Lisboa ou no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como  Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar, citado pelo DN.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), o Serviço Nacional de Saúde (SNS) assegura ao dia de hoje mais de 80% das urgências e mais de 70% dos internamentos e cirurgias. Contudo, são as unidades privadas que registam maior crescimento, segundo os mesmos dados do INE.

Recomendadas

“Dietas milagrosas” contrariam forma saudável de perder peso, alerta Deco

Para perder peso e manter a saúde, a dieta deve ser variada, eliminar os alimentos hipercalóricos, contemplar nunca menos de 1200 quilocalorias diárias (no caso das mulheres) e 1500 quilocalorias (no caso dos homens).

Gastos irregulares de cinco hospitais públicos sob suspeita

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde realizou auditorias a cinco hospitais públicos e encontrou gastos irregulares no valor de 23,5 milhões de euros. 

Médicos pedem escusa de responsabilidade por eventuais falhas nas maternidades

Os obstetras alegam que há fata de condições mínimas por causa de escalas incompletas. Em causa estão problemas no Hospital de Santa Maria e no Amadora-Sintra.
Comentários