Sauditas vão importar as nossas iguarias

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, congratulou-se com a abertura do mercado da Arábia Saudita a produtos portugueses e com o seu interesse em considerar Portugal como país prioritário para o investimento saudita. Assunção Cristas, que falava à Lusa a partir de Riade, na Arábia Saudita, cumprindo o segundo dia de visita àquele país a […]

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, congratulou-se com a abertura do mercado da Arábia Saudita a produtos portugueses e com o seu interesse em considerar Portugal como país prioritário para o investimento saudita.

Assunção Cristas, que falava à Lusa a partir de Riade, na Arábia Saudita, cumprindo o segundo dia de visita àquele país a convite do seu homólogo, fez um balanço muito positivo na sequência dos “avanços significativos” em três matérias, nomeadamente, pedidos de exportação, investimento direto saudita em Portugal e aquacultura.

No quadro das exportações, a ministra destacou cinco grupos que, “dentro de alguns meses”, vão passar a ser vendidos para a Arábia Saudita: carne, leite e derivados, produtos processados, peixe e transformados de peixe [conservas], ovos e derivados.

“Tivemos hoje uma reunião com a entidade sanitária que nos responderá na próxima semana favoravelmente relativamente a quatro grupos. É um aspeto positivo. Já temos estes produtos abertos para o Kwait e Qatar, mas a Arábia Saudita é o maior mercado desta região com quase 30 milhões de habitantes. Interessava-nos muito dar um impulso forte aqui na Arábia Saudita e parece-nos que isso foi conseguido”, afirmou a titular da pasta da Agricultura.

Numa segunda área, a governante destacou os avanços em matérias de investimento direto saudita em Portugal.

“A Arábia Saudita tem manifestado algum interesse e já fez uma visita à região do Alqueva para começar a produzir em Portugal rações para animais e ficou sinalizado que Portugal poderá constar da lista de países identificados como prioritários para terem apoio de investimento por parte do Governo saudita”, referiu a ministra.

Segundo explicou à Lusa, “o investimento deve ser feito por empresas privadas sauditas e o apoio será feito ao nível de um fundo de investimento da Arábia Saudita para promover a agricultura feita noutros países, uma vez que os sauditas têm problemas sanitários e de falta de alimentos”.

Por último, Assunção Cristas sinalizou o interesse manifestado por uma empresa saudita na área da aquacultura e que pretende colaborar com Portugal.

“Visitámos a maior empresa saudita de aquacultura [em Jeddah] e identificámos uma oportunidade de colaboração em matéria de algas que poderão ser utilizadas na produção de rações para animais”, disse

Assunção Cristas não quis falar do montante do investimento, por considerar ser ainda prematuro.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?