Savills fica responsável pela gestão do edifício Atlas III

Atlas III, em Miraflores, é o mais recente empreendimento sob a gestão da Savills.

Cristina Bernardo

Após a assessoria na venda do edifício Atlas III, a consultora imobiliária Savills foi recentemente selecionada pelo proprietário Incus Capital para a gestão do edifício Atlas III, em Miraflores, Oeiras. Este edifício disponibiliza uma área total de 4.813,50m2 acima do solo, distribuídos por espaços de escritórios, que podem ser destinados aos mais diferentes fins e negócios.

A consultora imobiliária, além de ter assessorado a venda do edifício, fica agora também responsável pela gestão do mesmo, através do seu departamento de Property Management. Com a gestão deste ativo em particular, a Savills terá sob sua responsabilidade a manutenção diária do imóvel, todos os relatórios financeiros, a contratação de recursos humanos, bem como as estratégias de marketing relacionadas com a infraestrutura.

“Termos ficado com a gestão do edifício demonstra a confiança que o proprietário deposita na Savills. Faremos os possíveis para que todas as questões relacionadas com property management sejam tratadas com o detalhe e a dedicação próprios da nossa forma de trabalhar”, afirmou João Inácio, Property Management Director da Savills Portugal.

A Incus Capital Advisors SA. é uma empresa de consultoria de investimentos em crédito especializado, com sede em Madrid, oferecendo soluções de crédito flexíveis para empresas europeias de médio porte. Desde o início, em 2012, a empresa assessorou os fundos de investimento da Incus em mais de um bilião de euros de capital investido em mais de 50 transações em vários setores.

Recomendadas

Três Dolce Vita colocados à venda por 15 milhões de euros

Em todos os casos, caso não hajam ofertas superiores ao valor mínimo, serão admitidas propostas mais baixas.

Dona da Comporta estuda “projeto estratégico” a preços acessíveis no Parque das Nações

A Vanguard Properties quer construir três prédios no total, com o valor do investimento a rondar os 30 a 35 milhões de euros.

Comércio tradicional renasce com ‘boom’ do turismo

A “especulação imobiliária” e a subida das rendas levaram ao fecho de muitas lojas, mas há uma nova geração a investir em Lisboa. Em 2018já abriram mais lojas do que fecharam, diz a líder da associação do setor.
Comentários