Seca: Ministro da Agricultura diz que solos já receberam água suficiente

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, afirmou hoje que os solos já receberam água suficiente, o que afasta o cenário de seca no país, e considerou que “existem boas condições para um bom ano agrícola”.

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos (E), acompanhado pelos secretários de Estados, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira (E), e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel João de Freitas (D), intervém durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a sua audição perante a Comissão, no âmbito das audiências sobre o Orçamento do Estado (OE) para 2018, na Assembleia da República, em Lisboa, 14 de novembro de 2017. JOÃO RELVAS/LUSA

À margem de uma visita às instalações da Casa dos Animais, em Monsanto, Lisboa, no âmbito da campanha de sensibilização contra o abandono dos animais de companhia, Capoulas Santos disse que “os solos receberam água suficiente” pela chuva recente e que “as albufeiras estão com níveis de capacidade suficientemente tranquilizadores para garantir uma época agrícola normal”.

No entanto, ressalvou, existem duas exceções. “Existem dois problemas ainda no baixo Alentejo. [As albufeiras de] Monte da Rocha e Campilhas estão com 20 e pouco por cento da sua capacidade. Portanto, chove normalmente, menos nessa região”, destacou.

Ainda assim, o governante mostrou-se convicto de que “existem boas condições” para que Portugal tenha “um bom ano agrícola”, algo que “já tinha sucedido no ano passado, apesar da seca”.

“Com exceção de alguns setores, como o do arroz e da pecuária, na generalidade das outras produções tivemos bons resultados. Em alguns até espetaculares, como o caso do azeite em que a produção aumentou cerca de 80%”, sublinhou o ministro Capoulas Santos.

Relacionadas

Ambiente: Como as alterações climáticas transformam a economia

As alterações climáticas têm custos astronómicos para a economia. Segundo contas da Comissão Europeia as inundações causaram prejuízos económicos diretos que excederam os 90 mil milhões de euros. O setor dos seguros, agricultura ou turismo são fortemente afetados.As cidades e as linhas costeiras poderão voltar a ser planificadas, sobretudo as zonas que já foram conquistadas pelo mar.

Governo lança estudos e projetos sobre gestão da água em Portugal

No âmbito do Plano Nacional de Eficiência Hídrica na Administração Pública, proceder-se-á ao lançamento de um projeto-piloto na cidade de Lisboa.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários