Secretário de Estado das Florestas: o pior dos incêndios “ainda está por vir”

Miguel Freitas faz um balanço positivo da limpeza dos terrenos, mas ao “Correio da Manhã”, revela que “o ano ainda poderá ser muito difícil”, no combate aos incêndios devido ao calor do mês de agosto.

Já foram limpos 2.746 hectares de áreas públicas prioritárias, como matas e perímetros florestais, mas apesar disso o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas afirma ao “Correio da Manhã”, que “o esforço não pode parar e o mais difícil ainda está por vir”.

A meta inicial da limpeza de 1.600 hectares definida pelo Estado foi ultrapassada, mas Miguel Freitas, revela que “não podemos dizer que está tudo limpo”. Ao todo já foram intervencionados 119 quilómetros em rede primária de defesa da floresta contra incêndios e 803 quilómetros de beneficiação de caminhos públicos florestais.

Ainda assim, muitos dos proprietários não aproveitaram o verão menos quente e até chuvoso para limparem os terrenos, segundo constatou o “Correio da Manhã”, com vários exemplos de norte a sul de Portugal.

No entanto, este ato pode valer multas aos proprietários que variam entre os 250 e os 120 mil euros, com os próprios municípios a poderem substituir os proprietários na limpeza dos terrenos.

Os serviços meterológicos apontam para que na próxima semana as temperaturas possam atingir em algumas regiões do país, os 41º graus. Na passada segunda-feira, a Guarda Nacional Republicana (GNR) deixou alguns conselhos de como evitar os incêndios florestais.

Incêndios Florestais: Siga os conselhos da GNR para os evitar

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários