SEF em greve a partir das 00h00

Em comunicado, a direção SINSEF anuncia que amanhã levará a cabo uma greve de 24 horas “para salvar um serviço vital para o País”.

“Por iniciativa do SINSEF (Sindicato dos Funcionários do SEF) os funcionários do SEF fazem amanhã (sexta-feira, 23 de Junho 0h00 a 24h00), uma Jornada de Luta e Protesto.” Assim começa o comunicado em que a direção do sindicato que representa os trabalhadores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anuncia uma greve que os próprios apelidam como “o corolário” de uma greve rotativa que dura há seis meses.

Assim, e porque amanhã, dia 23 de junho, se assinala o Dia do SEF, o sindicato pretende sinalizar esta efeméride com “uma grande paralisação”. O objetivo, diz a direção do SINSEF, não é lutar por aumentos salariais, mas sim pela “dignificação do Serviço que se deprime e se esvai numa morte lenta”.

O SINSEF diz que este serviço é, atualmente “um exemplo de um Serviço público que carece de uma transformação profunda e de uma modernização, de forma a dignificar todos os que ali trabalham, e deixar de ser olhado apenas como um serviço de cariz Policial”.

Os problemas, segundo o SINSEF são a “ineficácia desesperante” e “clamorosa” dos serviços do SEF, bem como o “recurso a colaboradores externos precários e não qualificados” para “remendar” as falhas nos serviços. Estes problemas, diz o sindicato, são os culpados por manifestações espontâneas dos próprios imigrantes, pela queda “vertiginosa” dos vistos Gold, e “em casos extremos”, a colocação em causa de “aspetos da segurança nacional”.

Além de elencar os problemas, a direção do SINSEF também aponta soluções, como uma “reforma simples e racionalmente evidente dos serviços, com custos mínimos e aumentando a sua eficácia e o seu lucro”.

Por isso, porque a “solução apresentada da criação de uma ‘via verde’ para os vistos Gold aumenta a discriminação e não resolve o problema de fundo”, e porque o país “merece e exige um Serviço de Estrangeiros e Fronteiras eficaz e bem mais que uma polícia de imigração”, os trabalhadores cumprirão esta jornada de luta, termina o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários