Sindicato dos magistrados do Ministério Público vai amanhã a votos

Sindicato dos Magistrados do Ministério Público vai manhã a votos com lista única encabeçada pelo actual presidente. António Ventinhas quer lutar pela autonomia financeira do MP e defender os direitos adquiridos pelos procuradores.

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) vai neste sábado, 17 de março, a votos, com uma única lista concorrente, encabeçada pelo atual presidente do SMMP, António Ventinhas. Lutar pela autonomia financeira do MP, pela manutenção do principio do paralelismo das magistraturas e defender os direitos adquiridos pelos procuradores são os principais lemas da candidatura.

“A Lista A, única candidata às eleições para o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público propõe-se lutar pela autonomia financeira do MP, pela manutenção do principio do paralelismo das magistraturas e defender os direitos adquiridos pelos procuradores”, avançam os responsáveis da lista única, que integra praticamente toda a anterior direcção, sendo novamente liderada por Antonio Ventinhas.

O SMMP tem 1.330 sócios e a esmagadora maioria dos magistrados do Ministério Publico é filiada no Sindicato (mais de 90%).

No seu programa eleitoral, o atual presidente do SMMP garante que vai defender os direitos adquiridos pelos magistrados do Ministério Público, “em especial no que respeita à dignificação do estatuto socioeconómico e profissional”, e “pugnar pela consagração de uma carreira que promova a realização profissional, que reconheça o mérito aos que trabalham e que garanta uma efetiva progressão”.

Os candidatos à direção do sindicato para o triénio 2018/2021 pretendem ainda a avaliação do impacto da informatização e desmaterialização dos processos na organização do MP e nas condições de trabalho dos magistrados, bem como a denúncia de falta de condições funcionais ou materiais que existam.

É também proposto ajudar a melhorar a organização do MP, “reduzindo as burocracias inúteis” e realizar contactos com o Ministério da Justiça, partidos políticos, grupos parlamentares e comissão de Direitos Liberdades e Garantias, a quem pretende transmitir os contributos para a proposta de revisão do Estatuto do Ministério Público.

O programa eleitoral realça ainda o objectivo de “mobilizar os associados para combater todas as propostas que ofendam os princípios constitucionais e legais que regem a nossa magistratura, equacionando as melhores formas de luta que se adequem a cada momento, designadamente o recurso à greve”.

Lutar pelo princípio do paralelismo das magistraturas, que consagre um modelo atrativo de carreira e que reorganize a instituição é outra das propostas da Lista A que tem ainda como candidatos à direção João Paulo Albuquerque para o cargo de secretário-geral e José Niza e Manuel Frederico Ferreira para vogais.

No plano da ação interna, a lista critica a “ditadura dos números, a burocracia, o mau aproveitamento dos recursos humanos, os movimentos e colocação de magistrados sem critério e feitos à medida, o não reconhecimento do esforço, a distribuição desigual de trabalho e as ordens ilegais” por parte da hierarquia do MP e do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP).

“Pretendemos intervir junto do CSMP e da hierarquia para alterar este estado de coisas, com recurso à via judicial, se necessário e nos casos mais graves ou atentatórios de princípios fundamentais”, refere o programa, aludindo a duas ações e uma providência cautelar já interpostas para impugnar o movimento.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários