SRS e RCF fazem aliança entre o direito e a técnica

A SRS Advogados e a RCF Protecting Innovation lançaram uma oferta conjunta na propriedade intelectual. “O cliente precisa de um serviço integrado”, diz Pedro Rebelo de Sousa.

Seis meses depois de estabelecer uma parceria estratégica com a RCF, na área de Propriedade Intelectual (PI), a SRS Advogados regista um crescimento 50% na faturação desta área, quando comparada com o primeiro semestre de 2017. Em entrevista conjunta, Pedro Rebelo de Sousa e António Trigueiros de Aragão, managing partner e CEO da RCF, respetivamente, revelaram a estratégia que está por detrás desta parceria.

A impulsionar o crescimento está o acordo que celebrou com a RCF Protecting Innovation para uma coordenação conjunta dos direitos de PI para que os clientes de ambas possam ter beneficiar de mais apoio técnico e legal. O casamento entre a prática técnica e a jurídica ainda nem atingiu as bodas de papel, mas já colhe os frutos da boda.

“É uma área em que o convívio entre os escritórios de advogados e os agentes de PI teve sempre uma dialética não muito seguida. Para tudo aquilo que foge ao litígio, ao contencioso, os escritórios não têm os recursos. O cliente precisa de ter um serviço integrado, quer cada vez mais one stop shop”, afirma Pedro Rebelo de Sousa ao Jornal Económico.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Portugal é o mercado externo mais atrativo para as sociedades de advogados de Espanha

Portugal é visto como um lugar prioritário e de elevado crescimento para as sociedades de advogados do país vizinho, em especial os da área jurídica, com as cidades de Lisboa e Porto a serem as mais procuradas.

Indico Capital captou 1,1 milhões de euros para a EatTasty com assessoria da Cuatrecasas

A Cuatrecasas assessorou a Indico Capital Partners no fecho de uma ronda de investimento seed (fase inicial) para a startup EatTasty, no valor de 1,1 milhões de euros.

Novas regras no sector imobiliário

Assiste-se a um aumento da burocracia e da responsabilidade das “Entidades Imobiliárias” que se vêem obrigadas elas próprias a promover o controlo e prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.
Comentários