“Start Path Global”: Mastercard volta a desafiar startups neste verão

O programa integra uma nova vaga de startups focadas na utilização de tecnologia beacon, soluções contactless e inteligência artificial para impulsionar a inovação nos pagamentos

A Mastercard acaba de anunciar, no “Money20/20 Europe”, a mais recente vaga de startups que integram a edição do programa “Mastercard Start Path” – o qual representa o esforço da empresa em apoiar fintech em fase avançada e empresas tecnológicas que estejam a criar novas soluções de pagamento para desenvolver a próxima geração de soluções de comércio.

Sobre este projeto, Amy Neale, vice-presidente da Mastercard Start Path, realça, em comunicado, que “à medida que o comércio se vai tornando cada vez mais ligado, as fintechs desempenharão um papel basilar ao satisfazer a procura dos clientes por experiências melhores e mais perfeitas”. “Oferecemos, por isso, às startups que estão a reinventar este espaço as ferramentas, orientação e as redes de contactos que necessitam para expandir os seus negócios de forma mais rápida do que poderiam fazer sozinhas”, reforça ainda.

Segundo esclarece a empresa, a nova edição abrange cinco países e procura minimizar as lacunas que se verificam ao nível do comércio digital e físico através de um conjunto diversificado de soluções. Várias startups selecionadas têm vindo a aproveitar os conhecimentos adquiridos a partir da análise de hábitos de consumo e da observação dos padrões de tráfego dentro das lojas para desenvolver experiências personalizadas para os seus clientes. Outras, têm vindo a ajudar os comerciantes a aceitar pagamentos por via de sistemas de mensagens SMS ou de plataformas de cobrança de contas destinadas a grandes despesas, que anteriormente não tinham possibilidade de ser efectuadas utilizando um cartão.

A última vaga de participantes do Start Path inclui: A CardUp,  que gere pagamentos mensais de cartão de crédito para bens de valor elevado, como alugueres ou seguros, e que, simultaneamente, permite acesso a crédito e recompensas adicionais; a ftcash, que permite aos micro comerciantes e empresários contrair empréstimos empresariais, sem necessidade de apresentação de garantias, e aceitar pagamentos baseados em aplicações móveis e em mensagens; a plataforma ModoPayments oferece novas formas de pagamento, incluindo a utilização de pontos de fidelização para compra diária de produtos do quotidiano em loja; a Movvo fornece informações sobre a navegação dentro de loja e hábitos de compra; a ToneTag possibilita pagamentos contactless em qualquer dispositivo, através de ondas sonoras ou NFC; e a RecommenderX desenvolve uma análise de dados de ponta, oferecendo recomendações personalizadas.

 

 

As candidaturas para o próximo programa virtual de seis meses estão abertas até as 11:59 p.m. de terça-feira, 1 de agosto de 2017. O programa está aberto a startups que que estejam a criar novas soluções de pagamento ou a repensar o sistema financeiro para desenvolver a próxima geração de soluções de comércio e que participaram numa ronda de investimento de série A ou numa ronda de investimento de série A ou angariaram capital semente com um valor apreciável. Todas as startups interessadas podem aceder a https://www.startpath.com/ para obter informações adicionais e submeter uma candidatura.

Ler mais
Recomendadas

Três empresas estrangeiras vencem programa de aceleração da Fábrica de Startups e Turismo de Portugal

A Dgroops, B2Book.net e Guide121 vieram do Chipre, de Itália e do Brasil e conquistaram o júri e o público português que os ouviu no Templo da Poesia, em Oeiras.

Startup Automaise recebe meio milhão de euros para desenvolver software e recrutar

A empresa de Braga, fundada por Ernesgto Pedrosa e Carlos Oliveira, foi financiada pela Bright Pixel e Armilar.

Martin Kern: “Uma economia não se mede apenas pelo número de unicórnios”

Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor do Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia refere que o aumento orçamental proposto pela Comissão Europeia para os próximos anos pode beneficiar as startups e as atividades de investigação em Portugal.
Comentários