Startups para estudantes estrangeiros mostram-se no ISCTE

Duas dezenas de startups dão a conhecer o que têm para oferecer em matéria de produtos e serviços aos estrangeiros que frequentam o ensino superior na capital.

São em Portugal mais de 42.500, dos quais cerca de 18 mil só na área de Lisboa. Os estudantes estrangeiros, é deles que falamos, têm gostos e necessidades específicas e, por isso, nasceram dezenas de empresas com produtos e serviços específicos para eles.

A nacionalidade mais representada é a brasileira com 12.500 estudantes, seguida de angolanos, espanhóis, cabo-verdianos e italianos. Os chineses e os franceses encontram-se entre os grupos de estudantes que mais tem crescido nas universidades portuguesas.

Várias empresas nasceram a pensar no mercado que os estudantes estrangeiros representam, desenvolvendo produtos e serviços específicos que vão de aulas de português a plataformas para encontrar alojamento, de aulas de música ao domicílio a aluguer de motos e de bicicletas, de viagens pelo país a atividades radicais. Também há quem desenvolva app’s de adaptação ao novo sistema de ensino, forneça alimentação saudável ou promova o desporto em associação com as novas tecnologias…

Dezenas dessas “start-ups” vão reunir-se no ISCTE – IUL esta segunda-feira, a partir das 11h00, numa iniciativa chamada “Start me Up!”. O objetivo é mostrar à comunidade de estudantes estrangeiros da capital as sua oferta.

“O mercado internacional de ensino superior que o Acordo de Bolonha criou, e no qual Portugal se está a revelar muito competitivo, também fez nascer novos mercados nas cidades universitárias portuguesas”, afirma Sónia Henriques, coordenadora do Gabinete de Relações Internacionais do ISCTE. “Várias das start-ups que se dedicam a esse mercado surgiram no Audax (centro de empreendedorismo do ISCTE – IUL), outras no âmbito da Start Up Lisboa, outras noutros contextos: convidámos todas a que têm os estudantes estrangeiros no seu ‘core business’ a virem mostrar ao ISCTE o que têm para lhes oferecer”.

 

Ler mais
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

TheFork. “No mundo não somos pioneiros, mas em Portugal sim”

Desde 2015, a plataforma online de reservas e descontos em restaurantes angariou mais de 2.500 estabelecimentos de norte a sul do país. Agora, a app prepara-se para arrancar com a quarta edição do TheFork Fest.

Três empresas estrangeiras vencem programa de aceleração da Fábrica de Startups e Turismo de Portugal

A Dgroops, B2Book.net e Guide121 vieram do Chipre, de Itália e do Brasil e conquistaram o júri e o público português que os ouviu no Templo da Poesia, em Oeiras.
Comentários