Subsídio de mobilidade: Calado sugere alternativas para companhias não dependerem do Estado

Vice-presidente do Governo Regional acredita que o novo modelo não vai afastar as companhias aéreas, mas defende que terá de ser encontrado uma modelo de pagamento para que não fiquem dependentes do Estado.

Foto ANA

O Governo da Madeira acredita que o novo modelo de subsídio de mobilidade não vai afastar as companhias aéreas da rota mas é preciso, alerta o vice-presidente Pedro Calado, “arranjar uma forma de as empresas não ficarem dependentes do Estado para receberem esse dinheiro”.

Em alternativa, o número dois do executivo social-democrata madeirense defende a criação de um fundo financeiro ou de uma conta corrente caucionada financeira ou até de uma parceria com uma instituição financeira.

“É possível fazer isso, criar um valor equivalente ao que tem sido disponibilizado pelo Estado para o subsídio de mobilidade e com essa verba fazer o pagamento directo às companhias aéreas”, afirmou esta manhã Calado, em reação às declarações do diretor da easyJet em Portugal, José Lopes, que considerou que as alterações ao subsídio de mobilidade da Madeira  podem colocar em causa a operação de algumas empresas na Madeira.

Pedro Calado considera que este não é um problema em cima da mesa e lembra, no caso da easyJet, que um dos 20 novos aviões da companhia é para fazer esta linha regional. “Portanto, a easyJet continua a confiar e a apostar neste mercado”,  conclui o governante.

Relacionadas

EasyJet diz que alterações ao subsídio de mobilidade da Madeira podem ser muito perigosas

O diretor da easyJet em Portugal diz que a posição da companhia aérea é muito clara e centra-se na recusa em substituir o estado nos adiantamentos do subsídio de mobilidade acrescentando que as mudanças que estão a ser discutidas na Assembleia da República podem ser muito perigosas para a economia da Madeira.
Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários