Taxa de desemprego na zona euro atinge o valor mais baixo desde 2008

O gabinete de estatística da União Europeia (UE) estima que na zona euro existam 13.880 milhões de desempregados, tendo Portugal sido um dos três países onde se registaram as maiores quedas.

A taxa de desemprego ajustada da zona euro caiu 0,1 pontos percentuais para 8,5% em abril, de acordo com dados revelados esta quinta-feira pelo Eurostat. O gabinete de estatística da União Europeia (UE) estima que na zona euro existam 13.880 milhões de desempregados, tendo Portugal sido um dos três países onde se registaram as maiores quedas.

Os dados revelados mostram que entre os 28 Estados-membros da UE, a taxa de desemprego em abril manteve-se estável nos 7,1% face à registada no mês de março. Em comparação homóloga, registou-se uma queda de 0,7 pontos percentuais, depois de a taxa de desemprego ter atingido os 7,8% em maio de 2017, sendo esta a taxa mais baixa registada desde setembro de 2008.

O Eurostat estima que na UE existam 17.462 milhões de homens e mulheres, dos quais 13.880 milhões pertencentes à zona euro. Em comparação com o março de 2018, o número de pessoas desempregadas diminuiu em 53.000 na UE e 56.000 na zona euro.

Portugal foi o terceiro país em que a taxa de desemprego mais caiu na UE, passando de 9,5% para 7,4%. As maiores diminuições registaram-se no Chipre (cuja taxa passou de 11,7% para 8,6%) e a Croácia (11,5% para 9,1%).

A taxa de desemprego diminuiu em todos os Estados-Membros, com excepção da Itália, onde permaneceu estável e da Estónia, onde aumentou, de 5,3% para 5,6%. As taxas de desemprego mais baixas em abril foram registadas na República Checa (2,2%), Malta (3,0%) e Alemanha (3,4%). Já as taxas de desemprego mais elevadas foram observadas na Grécia (20,8%) e Espanha (15,9%).

 

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários