Taxas alfandegárias dos EUA são “absolutamente injustificadas”, realça António Costa

Primeiro-ministro referia-se à decisão do governo norte-americano de aplicar taxas alfandegárias de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio.

REUTERS/Adriano Machado

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje que a União Europeia (UE) não renuncia ao direito de acionar mecanismos para responder à medida “absolutamente injustificada” dos Estados Unidos de taxar as importações de alumínio e aço.

“Não reconhecemos validade aos fundamentos invocados para a aplicação da qualquer medida. Registamos que houve aqui uma suspensão provisória da medida, mas que a UE não renuncia aos direitos legais que tem para acionar os mecanismos que no âmbito da Organização Mundial do Comércio pode e dever acionar para responder a uma medida que é absolutamente injustificada”, considerou o primeiro-ministro português, no final do segundo dia do Conselho Europeu, que decorreu em Bruxelas.

António Costa referia-se à decisão do governo norte-americano de aplicar taxas alfandegárias de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio.

Na quinta-feira, o Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou que ia deixar a UE de fora do aumento das tarifas comerciais sobre as importações de aço e de alumínio.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários