Tec Labs: Empreendedorismo vs. Projetos Científicos

Uma incubadora ligada a projectos científicos, a Tec Labs, promete dar cartas nesta área ao apostar no empreendedorismo cientifico e tecnológico. Há 11 anos arrancou com uma incubadora, este ano avança com um CoLab.

Em Lisboa, bem no meio do Campus Universitário da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, está um centro de incubação de empresas, que se prepara para abrir um espaço de CoLab (Cowork Laboratorial).

Quando em 1989 os responsáveis da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) abriam as portas do Instituto de Ciência Aplicada e Tecnologia (ICAT) não imaginavam que, 27 anos depois, teriam em mãos uma incubadora (2005) de empresas, de onde nasceria a marca Tec Labs em 2012 e um projecto de CoLab pronto a avançar.

Pelo caminho o ICAT foi encerrado e o Tec Labs – Centro de Inovação integrado na FCUL. No nossos dias conta com mais de 200 colaboradores permanentes.

O Tec Labs é “o polo agregador de todas as iniciativas relacionadas com transferência de conhecimento e empreendedorismo”, explica Jorge Maia Alves, subdiretor da faculdade e coordenador do Tec Labs, acrescentando a constante procura do envolvimento de alunos, professores e investigadores na área das ciências, bem como de empreendedores, como pontos de honra deste espaço.

O CoLab, que está pronto a arrancar dentro em breve, surgiu com a perceção do aparecimento da procura de laboratórios neste tipo de modalidade. A partir de certa altura vários foram os cientistas que começaram a procurar, para começar a sua actividade, uma secretária e espaço de bancada em laboratório, com acesso a um ponto de água e a equipamento especializado.

“A ideia de lançar um espaço de CoLab surge da experiência que temos tido com os ‘Bugworkers’, o grupo que coordena os nossos laboratórios de suporte na área de microbiologia e biologia molecular. E que, além do apoio que dão às nossas empresas incubadas, cedem, também, espaço de bancada a pequenas startups destas áreas que estão no início do seu percurso”, explica o coordenador do Tec Labs.

Novas metodologias

Para a sistematização da experiência adquirida, que permita que se trabalhe de forma estruturada com alunos, professores e investigadores de ciências, foi criada uma metodologia, que se designou ‘ScienceIN2Business’, que opera em três eixos: Learning, Selection e Evolution.

Pretende-se, assim, a valorização económica do conhecimento científico, através da colaboração universidade-empresas em processos de investigação e desenvolvimento de tecnologias inovadoras, bem como de incubação de negócios de base científica e tecnológica.

Tipologias de Incubação

Virtual : sem espaço, um ano de duração renovável
Office : escritório, 2 anos de duração
Lab: laboratório, 4 anos de duração
CoLab: laboratório partilhado, 2 anos de duração

Espaço

Edifício: 2000 m2/área útil, 4 pisos
Escritórios: 41
Laboratórios para incubação: 25
Laboratório de suporte: 1 (área de microbiologia e biologia
molecular)

Ler mais
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

TheFork. “No mundo não somos pioneiros, mas em Portugal sim”

Desde 2015, a plataforma online de reservas e descontos em restaurantes angariou mais de 2.500 estabelecimentos de norte a sul do país. Agora, a app prepara-se para arrancar com a quarta edição do TheFork Fest.

Três empresas estrangeiras vencem programa de aceleração da Fábrica de Startups e Turismo de Portugal

A Dgroops, B2Book.net e Guide121 vieram do Chipre, de Itália e do Brasil e conquistaram o júri e o público português que os ouviu no Templo da Poesia, em Oeiras.
Comentários