Tecnológica Glovo fecha ronda de financiamento de 115 milhões de euros

“A minha principal prioridade é investir no aumento da nossa equipa de tecnologia”, afirmou o CEO, Oscar Pierre. A startup anunciou ainda que vai contratar 100 engenheiros nos próximos meses.

A tecnológica espanhola Glovo financiou-se em 115 milhões de euros junto de investidores internacionais. Com a injeção de capital, a startup pretende reforçar a aposta na optimização da plataforma e dos recursos tecnológicos, tendo anunciado que vai contratar 100 engenheiros nos próximos meses.

Numa ronda de financiamento da Série C, a Glovo angariou capital junto da empresa japonesa Rakuten, do fundo de capital de risco Seaya e do fundo espanhol Cathay, que eram já investidores. Os novos investidores incluem a operadora de restaurantes da Europa Central, AmRest, e os fundos europeus Idinvest Partners e GR Capital, bem como outros investidores de menor dimensão.

“Estamos muito felizes com esta nova injeção de capital que nos permitirá continuar a crescer a um ritmo acelerado”, afirmou Oscar Pierre, CEO e co-fundador da Glovo, em comunicado.

“A minha principal prioridade é investir no aumento da nossa equipa de tecnologia para continuar a optimizar a plataforma e oferecer o melhor serviço do sector aos nossos três principais eixos – estafetas, utilizadores e estabelecimentos − e tornarmo-nos a aplicação de entregas de referência”, acrescentou.

Fundada na cidade espanhola de Barcelona, em janeiro de 2015, a Glovo é uma aplicação que permite comprar, receber e enviar qualquer produto na mesma cidade. Está em 61 cidades de 17 países em todo o mundo, tendo chegado a Lisboa em outubro de 2017 e ao Porto em março de 2018.

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

TheFork. “No mundo não somos pioneiros, mas em Portugal sim”

Desde 2015, a plataforma online de reservas e descontos em restaurantes angariou mais de 2.500 estabelecimentos de norte a sul do país. Agora, a app prepara-se para arrancar com a quarta edição do TheFork Fest.

Três empresas estrangeiras vencem programa de aceleração da Fábrica de Startups e Turismo de Portugal

A Dgroops, B2Book.net e Guide121 vieram do Chipre, de Itália e do Brasil e conquistaram o júri e o público português que os ouviu no Templo da Poesia, em Oeiras.
Comentários