Tecnológicas penalizam Wall Street com a Nasdaq a cair mais de 1% pela terceira sessão

Há três que o índice tecnológico não caía mais de 1% durante três dias seguidos. A série acontece dias depois de ter tocado máximos históricos e deve-se a um ‘sell-off’ nas ações do setor.

Crash de 25% em Wall Street

sell-off do setor tecnológico penalizou Wall Street esta segunda-feira, com o índice Nasdaq a cair mais de 1% pela terceira sessão consecutiva, o que não acontecia há três anos. A série negativa acontece apenas dias depois de o índice ter tocado máximos históricos.

O Nasdaq perdeu 1,39% para 7.630,00 pontos, enquanto o índice industrial Dow Jones recuou 0,57% para 25.306,83 pontos e o financeiro S&P 500 caiu 0,58% para 2.802,61 pontos.

“Há muito dinheiro e especulação acumulados nas ações da FAANG [Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Alphabet] e agora o dinheiro está a sair”, afirmou Wayne Kaufman, analista-chefe de mercado da Phoenix Financial Services, à agência Reuters. “É dinheiro a sair de um comércio que está lotado e as pessoas estão preocupadas”.

A tendência negativa no setor tecnológico começou na semana passada, com as redes sociais a penalizarem as ações.

Tanto a Twitter como a Facebook tombaram 20% em bolsa apesar de terem apresentado lucros acima da expetativa. No caso do Twitter, o problema foi ter perdido mais de um milhão de utilizadores e no do Facebook ter anunciado que prevê custos mais altos para a implementação de políticas de privacidade.

Além desta questão, os investidores estão também focados na reunião de dois dias da Reserva Federal (Fed) dos EUA, que começa esta terça-feira.

O presidente da Fed, Jerome Powell, tem referido que a instituição mantém o plano de continuar gradualmente a subir a federal funds rate e a expetativa é que a Federal Open Market Committee (FOMC) implemente mais duas subidas este ano, para perfazer um total de quatro em 2018. No entanto, é esperado que esta ainda não se concretize esta semana.

No mercado cambial, a moeda norte-americana desvalorizou 0,41% contra o euro, para 1,1705 dólares e 0,20% contra a libra para 1,3131 dólares. Já face à par japonesa, avançou 0,02% para 111,07 ienes. Os juros das Treasuries a 10 anos subiram 1,86 pontos base para 2,982%.

Ler mais

Relacionadas

Guerra comercial põe ações dos mercados emergentes a preço de saldo

“As avaliações das ações dos mercados emergentes (ME) tornaram-se desconexas dos fundamentos fortes, acreditamos, e oferecem uma compensação atraente para o risco”, afirmou o estrategista-chefe da BlackRock.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários