Teresa Morais foi “chumbada” para Conselho de Fiscalização das “secretas”

A vice-presidente do PSD não foi aprovada para o Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações da República Portuguesa (CFSIRP), por ter falhado hoje os dois terços que precisava para ser eleita.

Teresa Morais, deputada e vice-presidente do PSD, foi hoje “chumbada” para o Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações da República Portuguesa (CFSIRP), devido a não ter atingido os dois terços de votos necessários para tal. Em 212 votos, a deputada arrecadou apenas 112, relata a Lusa.

Foram registados 75 votos em branco e 25 nulos, avança a agência de notícias, citando o social-democrata Duarte Pacheco.

Contudo, Teresa Morais, que precisava de no mínimo 142 votos para integrar o CFSIRP, conseguiu mais votos do que a totalidade das bancadas do PSD, que arrecadou 89 votos, e do CDS-PP, que ficou com apenas 18 votos, totalizando 107 votos, caso todos tenham votado.

Conforme a lei, relatada pela agência de notícias portuguesa, o CFSIRP trata-se de um orgão de fiscalização dos serviços de informações portugueses, composto por “três cidadãos de reconhecida idoneidade e no pleno gozo dos seus direitos civis e políticos”, que são eleitos pela Assembleia da República por voto secreto e maioria de dois terços dos deputados.

 

(notícia atualizada às 17:54)

Ler mais
Relacionadas

Não é segredo para ninguém: Teresa Morais não vai liderar fiscalização das ‘secretas’

Candidatura da vice-presidente do PSD para liderar o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa é votada hoje. Teresa Morais já sabe que não conta com apoio do PS, Bloco e PCP mas “necessitava levar candidatura até ao fim”.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários