Tesouro vai emitir até mil milhões de euros em dívida a 10 e 16 anos esta quarta-feira

“O IGCP vai realizar no próximo dia 11 de julho pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 17 de outubro de 2028 e 18 de abril de 2034, com um montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros”, anunciou a instituição liderada por Cristina Casalinho no final da semana passada.

D.R.

Portugal volta ao mercado esta quarta-feira para emitir até mil milhões de euros em dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 e 16 anos, segundo confirmou a semana passada o IGCP – a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

“O IGCP vai realizar no próximo dia 11 de julho pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 17 de outubro de 2028 e 18 de abril de 2034, com um montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros”, anunciou a instituição liderada por Cristina Casalinho esta sexta-feira.

O IGCP informou que este trimestre prevê emissões de OT através de leilões, sendo esperadas colocações de mil a 1.250 milhões de euros por leilão. Adiantou que os leilões terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro (OEVT) e Operadores de Mercado Primário (OMP) e poderão ser realizados à 2ª, 4ª ou 5ª quartas-feiras de cada mês. A agência explicou ainda que vai realizar três leilões duplos de dívida de curto prazo, cujo montante indicativo poderá chegar aos 4,5 mil milhões de euro no total.

A última vez que o Tesouro colocou dívida a 10 anos foi a 16 de junho, quando emitiu 588 milhões de euros, a uma taxa de colocação 1.919%. No mercado secundário, a taxa dessa dívida benchmark portuguesa negoceia esta sexta-feira nos 1,80%.

Em relação à dívida com maturidade em 2034, a última emissão foi por venda sindicada, a 11 de abril deste ano, quando o IGCP colocou 3 mil milhões de euros a uma taxa de 2.325%.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários