Tesouro vai emitir até mil milhões de euros em dívida a 10 e 16 anos na quarta-feira

“O IGCP vai realizar no próximo dia 11 de julho pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 17 de outubro de 2028 e 18 de abril de 2034, com um montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros”, anunciou a instituição liderada por Cristina Casalinho esta sexta-feira.

D.R.

Portugal volta ao mercado na próxima semana para emitir até mil milhões de euros em dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 e 16 anos, segundo confirmou hoje o IGCP – a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

“O IGCP vai realizar no próximo dia 11 de julho pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 17 de outubro de 2028 e 18 de abril de 2034, com um montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros”, anunciou a instituição liderada por Cristina Casalinho esta sexta-feira.

O IGCP informou esta terça-feira que este trimestre prevê emissões de OT através de leilões, sendo esperadas colocações de mil a 1.250 milhões de euros por leilão. Adiantou que oa leilões terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro (OEVT) e Operadores de Mercado Primário (OMP) e poderão ser realizados à 2ª, 4ª ou 5ª quartas-feiras de cada mês. A agência explicou ainda que vai realizar três leilões duplos de dívida de curto prazo, cujo montante indicativo poderá chegar aos 4,5 mil milhões de euro no total.

A última vez que o Tesouro colocou dívida a 10 anos foi a 16 de junho, quando emitiu 588 milhões de euros, a uma taxa de colocação 1.919%. No mercado secundário, a taxa dessa dívida benchmark portuguesa negoceia esta sexta-feira nos 1,80%.

Em relação à dívida com maturidade em 2034, a última emissão foi por venda sindicada, a 11 de abril deste ano, quando o IGCP colocou 3 mil milhões de euros a uma taxa de 2.325%.

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários