Toys “R” US: chegou a faturar 11 mil milhões por ano mas vai fechar 800 lojas nos EUA

Na Europa, a Toys “R” Us opera em dez países, incluindo Portugal, Espanha, França e Alemanha. Em Portugal, a empresa fez saber, ainda em fevereiro, que as lojas nacionais continuam “o normal funcionamento”.

A multinacional norte-americana Toys “R” Us, dona de uma cadeia mundial de lojas de brinquedos, prepara-se para a liquidação se não conseguir acordar a reestruturação da dívida com os credores. A entrada de um investidor na empresa é vista como a última hipótese de sobrevivência.

Em setembro de 2017, a empresa declarou falência e, embora tenha conseguido um crédito de 3,1 mil milhões de dólares para relançar a marca, a fraca campanha em dezembro colocou o grupo no “vermelho” novamente.

A crise no retalho norte-americano não para de se acentuar e a Toys “R” Us, que já chegou a faturar 11 mil milhões de dólares por ano, não consegue escapar ao efeito dominó.

Depois de declarar falência, a empresa esperava conseguir um balão de oxigénio com o empréstimo e, consequentemente, com a renegociação da dívida com os credores, devido ao valor elevadíssimo da mesma. Apesar de que o grande objetivo é o de encontrar um novo novo investidor, capaz de estabilizar as finanças da empresa.

Mas nem uma coisa nem a outra. De acordo com a Bloomberg, a Toys “R” Us já definiu o encerramento de mais de 800 lojas nos Estados Unidos.

A lei norte-americana sobre a falência prevê que as empresas com problemas financeiros encontrem opções viáveis para recuperar economicamente, mas os maus resultados da campanha de Natal da Toy “R” Us revelaram a inviabilidade da empresa. Em janeiro, a empresa admitiu vir a encerrar mais 180 lojas para minimizar prejuízos.

A situação também se deteriorou em algumas filiais fora dos EUA, que não faziam parte do estado de falência inicial. A Toys “R” Us tem 64 mil funcionários em todo o mundo.

No Reino Unido, a Toys “R” Us também está falida e, tal como a filial asiática, o ramo mais lucrativo da multinacional, procura um investidor. No Reino Unido, esta situação coloca em risco 3 mil postos de trabalho, segundo o britânico “The Guardian“.

Na Europa, a Toys “R” Us opera em dez países, incluindo Portugal, Espanha, França e Alemanha.

Portugal, Espanha e França  mantém-se o “normal funcionamento de todas as lojas”,  disse a marca em comunicado a 28 de fevereiro. “Estamos empenhados em garantir a continuidade desta grande marca por muitas gerações”, disse o diretor-geral para França e Península Ibérica, Jean Charretteur, no mesmo comunicado.

A falência da Toys “R” é a segunda maior no setor do retalho especializado nos EUA. Em 2002, a Kmart, que detinha 14,6 mil milhões de dólares em ativos, abriu falência.

A confirmar-se a liquidação do gigante na venda de brinquedos, será um “golpe” preocupante no setor, uma vez que a cadeia representa aproximadamente 15% do volume de negócios de todo o setor nos EUA. A companhia estava lançando números vermelhos desde 2013, apesar de, em 2016, ter registado 460 milhões de lucros operacionais.

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários