Tráfego nas autoestradas da Brisa cresceu mais no sul do País

Os maiores crescimentos homólogos de circulação de veículos na rede de autoestradas da BCR face a 2016 verificaram-se na A9, A10 e A6.

O crescimento de tráfego nas autoestradas da Brisa foi uma constante em toda a rede gerida pela concessionária do Grupo José de Mello.

No ano passado, a circulação aumentou em todas as autoestradas da BCR – Brisa Concessão Rodoviária, gestora da maior rede de autoestradas em Portugal.

O crescimento médio foi de 6,8%, mas os maiores crescimentos homólogos face a 2016 verificaram-se na A9 (CREL – Circular Regional Exterior de Lisboa), com uma subida de 10,6%; na A10 (Arruda dos Vinhos-Carregado), com um aumento de 9,6%; e na A6 (Marateca-Évora), com um crescimento de 8,6%, a mesma variação percentual de circulação da A13 (Marateca/Almeirim).

Os maiores crescimentos de tráfego na rede de autoestradas da BCR no ano passado foi mais a Sul do território continental.

Nesta lista, divulgada pela BCR em comunicado enviado à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários na passada quinta-feira, dia 29 de março, surge a seguir, na lista dos maiores crescimentos de circulação de veículos no ano passado, a A2, entre a Marateca e o Algarve (mais 8,1%) e a A12, entre a ponte Vasco da  Gama e Setúbal (mais 7,8%).

A sul, só a A5, entre Lisboa e Cascais, registou um crescimento menor, de 5,2%.

A A1, a principal autoestrada do País, entre Lisboa e o Porto, protagonizou uma subida de circulação de 6,1%.

As autoestradas da BCR localizada na região norte do País tiveram crescimento de circulação de veículos mais modestos no ano passado: 7,1% na A3 (Porto-Valença) e 4,9% na A4 (Porto-Bragança).

“A análise da distribuição de tráfego por tipo de veículos revela uma evolução positiva, tanto nos veículos ligeiros como nos veículos pesados, com estes últimos a revelar uma taxa de crescimento da circulação superior em resultado da retoma económica que se tem vindo a verificar no país (+6,6% e + 9,3%, respetivamente)”, sublinha o comunicado da BCR.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Brisa aumentou receitas em 8,2%, para 570,7 milhões de euros

Este crescimento das receitas da empresa liderada por Vasco de Mello é explicado com uma subida de 8,1%, nas receitas de portagem, para 557,2 milhões de euros.

Prazo de concessão da Brisa deverá ser prolongado

A nova comissão de renegociação do contrato tem por missão introduzir alterações que implicam custos ou perda de receitas para a empresa do Grupo José de Mello. A via mais natural para o Estado compensar a concessionária será alargando o prazo.

Estado negoceia faixa para autocarros na A5

À margem da renegociação do contrato com a Brisa na autoestrada que liga Lisboa e Cascais, o Estado está a ponderar criar uma faixa BUS.
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários