Tribunal de Contas Europeu quer que política agrícola complemente ação ambiental

Os ministros da Agricultura dos 28 deverão manter hoje mais um debate sobre a comunicação de Bruxelas relativamente ao futuro da Política Agrícola Comum.

Yves Herman/REUTERS

O Tribunal de Contas Europeu (TCE) quer que os objetivos da futura Política Agrícola Comum (PAC) complementem o desenvolvimento de outras vertentes comunitárias, como a coesão e o ambiente.

Num relatório hoje divulgado sobre a proposta da Comissão Europeia para a PAC pós-2020, o TCE sugere que “os objetivos da PAC devem ser consistentes com os de outras políticas (incluindo as de coesão, ação climática e proteção ambiental)”. “A melhoria da complementaridade da PAC com outras políticas da UE teria um desenvolvimento positivo”, consideram os auditores.

O parecer defende ainda uma maior correspondência entre os resultados atingidos e o apoio financeiro, quer na relação entre a Comissão Europeia e os Estados-membros, quer entre estes e os beneficiários.

Ainda no que respeita ao financiamento, perante a possibilidade de ser introduzido cofinanciamento no primeiro pilar da PAC (o dos pagamentos diretos), o TCE alerta para o facto de que “a existência ou não de cofinanciamento tem uma forte influência no equilíbrio dos incentivos”, acrescentando que “as taxas de cofinanciamento devem refletir o valor acrescentado da UE aos diferentes tipos e áreas de intervenção”.

Em relação aos objetivos que cada país poderá traçar e aos planos estratégicos para o atingir – que serão monitorizados por Bruxelas – os auditores defendem que “a clareza e a abrangência” dos mesmos são “a chave para o sucesso da PAC pós-2020”.

Os ministros da Agricultura dos 28 deverão manter hoje mais um debate sobre a comunicação de Bruxelas relativamente ao futuro da PAC, apresentada em novembro de 2017 e que prevê uma maior subsidiariedade a nível dos Estados-membros e mais flexibilidade nas opções de cada país para alcançar os objetivos traçados.

Ler mais
Recomendadas

Governo disponibiliza 600 mil euros para apoiar agricultores de Mação, Vila de Rei e Sertã

Esta decisão decorre da publicação, hoje, em Diário da República, de um despacho que reconhece este incêndio como “catástrofe natural”.

Fundo Ambiental vai aplicar um milhão de euros na adaptação às alterações climáticas

Proteção ao litoral, na recuperação de solos e na reabilitação da rede hidrográfica são algumas das áreas em que o Fundo Ambiental poderá conceder apoio financeiro.

Parlamento recomenda ao Governo declaração do estado de urgência climática

Foi publicada nesta segunda-feira, 29 de julho, a resolução da Assembleia da República que recomenda ao Executivo de António Costa que assuma o compromisso de promover a máxima proteção de pessoas, economias, espécies e ecossistemas, e de restaurar condições de segurança e justiça climáticas.
Comentários