Troika regressa a Portugal e juros da dívida descem a 5 e 10 anos

Os juros da dívida soberana de Portugal estavam a subir a dois anos e a descer a cinco e dez anos, no dia em que a troika regressa a Portugal para a primeira monitorização pós-programa de ajuda financeira. Esta é a primeira monitorização semestral que a missão da ‘troika’ irá continuar a fazer até que […]

Os juros da dívida soberana de Portugal estavam a subir a dois anos e a descer a cinco e dez anos, no dia em que a troika regressa a Portugal para a primeira monitorização pós-programa de ajuda financeira.

Esta é a primeira monitorização semestral que a missão da ‘troika’ irá continuar a fazer até que o país reembolse a maioria dos empréstimos.

O Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) terminou em maio, mas tanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) como a Comissão Europeia vão manter missões regulares a Portugal até que o país reembolse a maioria dos empréstimos, o que no caso do Fundo deverá ser em 2022 e de Bruxelas em 2035.

Pelas 09h30 em Lisboa, os juros a dois anos estavam a subir para 0,904%, acima dos 0,862% de terça-feira.

Na maturidade dos cinco anos, os juros no mercado secundário estavam a descer dos 2,015% para 1,965%.

No mercado secundário de dívida, no prazo de 10 anos, os juros de Portugal estavam a recuar dos 3,400% da véspera para os 3,349%.

OJE/Lusa

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.