Trump abre guerra comercial e Wall Street ressente-se

Anúncio de Trump sobre a imposição de tarifas alfandegárias às importações de aço e alumínio pôs Wall Street em terreno negativo.

Reuters

Os principais índices bolsistas norte-americanos abriram hoje em queda, sendo que o anúncio de Trump referente à imposição de tarifas alfandegárias estará, no entender dos especialistas, a travar o ânimo dos investidores. O Dow Jones abriu a perder 1,68% para 24.608,98 pontos enquanto o S&P também abriu no vermelho: 1,33% para 2.677,67 pontos. Só o Nasdaq parece livrar-se do pessimismo dos investidores, mas mesmo assim, este índice abriu inalterado nos 6.750,54 pontos.

O anúncio de Trump sobre a imposição de tarifas alfandegárias às importações de aço e alumínio pôs Wall Street em terreno negativo. Isto após a aparição pública de Jerome Powell, presidente da Fed, e depois do presidente Donald Trump ter confirmado uma tarifa de 25% para a importação de aço e de 10% em importação de alumínio. Trump referiu que vai assinar formalmente estas medidas na próxima semana, e prmeteu que ficarão em vigor “durante um longo período de tempo”.

Relacionadas

Alemanha pede reação firme da UE sobre taxas norte-americanas

“A União Europeia deve reagir de forma firme às taxas aduaneiras punitivas dos Estados Unidos que ameaçam milhares de postos de trabalho na Europa”, disse Sigmar Gabriel através de um comunicado.

Irene Mia: “EUA vão chegar ao fim do ciclo económico em 2020, com uma leve recessão”

A duas semanas de vir a Portugal para o Lisbon Summit 2018, a diretora editorial global do The Economist Intelligence Unit, explicou ao Jornal Económico que a desaceleração da economia norte-americana não é preocupante, se comparada com o risco de políticas comerciais “erráticas” e retórica “perigosa” de Donald Trump.

China ameaça EUA com guerra comercial por causa de tarifas sobre aço e alumínio

Administração Trump pondera taxar as importações de aço e alumínio da China, alegando motivos de segurança nacional. Por seu lado, as autoridades chinesas ameaçam com represálias, nomeadamente sobre o produto agrícola que os EUA mais importam da China: a soja.

Bruxelas avisa Trump: Limitar exportações europeias vai ter represálias

“Apesar do comércio ter de ser aberto e justo, deve basear-se em regras. A UE está preparada para uma reação direta e apropriada caso as nossas exportações sejam afetadas por qualquer medida de restrição ao comércio por parte de EUA”, disse o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

China vai responder ao protecionismo de Trump. Boeing e Apple podem ser prejudicadas

Sendo a China o principal detentor da dívida americana, a ideia de reduzir as compras de produtos dos EUA e sujeitar as principais empresas dos EUA com grandes investimentos na China a investigações fiscais ou medidas anticoncorrenciais, podem levar Trump a recuar.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários