Trump arranja novo diferendo, desta vez com António Guterres

A recusa iminente em manter os Estados Unidos dentro do perímetro do Acordo de Paris sobre alterações climatéricas e o orçamento da ONU estão no centro da polémica.

Um dia depois de se ter desentendido com a chanceler Angela Merkel, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já conseguiu arranjar nova polémica, desta vez com o secretário-geral das Nações Unidos, o português António Guterres.

Em causa está a decisão tomada por Trump de retirar os Estados Unidos das responsabilidades assumidas no Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, assinado em Dezembro de 2015 por 195 países (todo o globo menos a Síria e a Nicarágua). Ou, pelo menos, a previsível decisão: segundo um responsável da Casa Branca citado pelos ‘media’ norte-americanos, o presidente está a ponderar a hipótese de ‘rescindir o contrato’ assinado em Paris, desobrigando os Estados Unidos de cumprirem todas as metas previstas.

A reserva de Trump em relação ao acordo é antiga: ainda candidato à presidência, Trump referiu-se ao acordo como um fator desestabilizador da economia caseira e uma forma de retirar competitividade internacional às empresas norte-americanas. E para nada, afinal, dado que, segundo Trump, as alterações climatéricas e as suas consequências em geral e o aquecimento do planeta em particular não são senão invenções da mente retorcida dos chineses – sempre prontos a usarem todos os apetrechos possíveis para vencer a economia norte-americana.

O secretário-geral da ONU já comentou o discurso presidencial, tendo afirmado estar convencido de que, mesmo que os Estados Unidos se retirem do Acordo de Paris, os agentes económicos – nomeadamente as cidades, as empresas e outras organizações coletivas – continuarão a perceber que é do seu interesse lutar contra aquilo que motiva as alterações climatéricas, e que continuarão a fazê-lo.

O tema regressou ao topo da agenda no final da passada semana, quando, na cimeira do G7 em Itália, Trump deu a conhecer – na sua conta do Twitter, como sempre – que tomaria uma decisão final sobre o assunto, sem ter em consideração as pressões quer do presidente francês Emmanuel Macron quer da chanceler alemã Angela Merkel, para se manter no perímetro do acordo.

Mas os diferendos entre Trump e Guterres não se ficam por aqui: a Casa Branca está ainda a ponderar – outro facto que já vinha da campanha eleitoral – cortar em cerca de 33% a parte do orçamento de Estado destinada a financiar a ONU e as suas organizações planetárias. António Guterres quer travar essa decisão, tendo afirmado que, se os Estados Unidos querem manter a sua posição de líder mundial, não devem subtrair-se às obrigações financeiras que foram consolidando ao longo dos tempos.

Ler mais
Relacionadas

Guterres envia recado a Trump: “Se alguém abandonar o Acordo de Paris, garanto que alguém o vai preencher”

O secretário-geral da ONU considerou “absolutamente essencial” que o acordo de Paris contra as alterações climáticas seja concretizado.
Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.
Comentários