TSU reduz já para empresas que paguem salário mínimo

As empresas que pagam o salário mínimo aos seus trabalhadores contarão a partir de novembro e até janeiro de 2016 com uma redução da Taxa Social Única (TSU) em 0,75 pontos percentuais. A medida foi acordada no âmbito das negociações com os parceiros sociais, que aumentaram o salário mínimo nacional para os 505 euros, e […]

As empresas que pagam o salário mínimo aos seus trabalhadores contarão a partir de novembro e até janeiro de 2016 com uma redução da Taxa Social Única (TSU) em 0,75 pontos percentuais.

A medida foi acordada no âmbito das negociações com os parceiros sociais, que aumentaram o salário mínimo nacional para os 505 euros, e destina-se a entidades que empreguem trabalhadores “que auferiram a retribuição mínima mensal garantida entre janeiro e agosto de 2014”, segundo o diploma publicado em Diário da República no dia 20 de outubro.

A redução da taxa contributiva, de acordo com o diploma, “reporta-se às contribuições referentes às remunerações devidas nos meses de novembro de 2014 e janeiro de 2016, nas quais se incluem os valores devidos a título de subsídios de férias e de Natal”.

A redução da taxa contributiva é concedida oficiosamente pelos serviços de segurança social quando se verifiquem as condições de atribuição, à exceção dos casos de trabalhadores com contratos de trabalho a tempo parcial, cuja redução ficará dependente da apresentação de um requerimento por parte da entidade empregadora.

O financiamento desta medida de apoio é assegurado pelo Estado “mediante transferência para o orçamento da segurança social”, refere ainda o diploma.

O novo salário mínimo nacional, de 505 euros, que resultou de um acordo entre o Governo, as confederações patronais e a UGT, entrou em vigor a 1 de outubro.

 

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?