Vale e Azevedo impedido de entrar no Mónaco

O antigo dirigente do Benfica, no passado dia 26 de junho, ficou retido na fronteira do principado devido a mandado de detenção europeu.

O antigo dirigente do Benfica terá ficado retido no principado do Mónaco devido a um mandado de detenção europeu emitido em 2008. A situação terá ficado resolvida ainda no próprio dia, uma vez que a advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, pediu imediatamente a colaboração das autoridades portuguesas, segundo avança o Correio da Manhã.

A advogada terá solicitado à juíza do tribunal central criminal de Lisboa, que condenou Vale e Azevedo, um requerimento alegando que “esta situação” causou “grandes problemas” ao antigo presidente.

Vale e Azevedo ter-se-á deslocado até o Mónaco, um dos poucos países listado como paraíso fiscal europeu, com o intuito de restabelecer contactos e reorganizar a sua vida, uma vez que antes da extradição  de Inglaterra para Portugal, tinha “a vida organizada fora do país”, afirma Luísa Cruz.

Recorde-se que o antigo presidente do Sport Lisboa e Benfica se encontra em liberdade condicional desde junho do ano passado, tendo sido condenado por crimes de burla e apropriação indevida de dinheiro no contorno de vários processos legais.

 

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários