Venezuela condena sanções contra criptomoeda e acusa EUA de provocar caos económico

O Governo da Venezuela condenou esta segunda-feira “veemenentemente” a decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de proibir operações com o Petro, a criptomoeda venezuelana, e acusou os EUA de querer provocar o caos económico no país.

Miraflores Palace/Handout via REUTERS

“O Presidente Nicolas Maduro, em nome do Governo e do heróico povo venezuelano, rejeita e condena veementemente as pretendidas novas sanções unilaterais do regime de Donald Trump contra o povo venezuelano e o nosso sistema financeiro e económico”, segundo um comunicado divulgado em Caracas.

No documento, o Governo venezuelano denuncia “a execução de uma nova conspiração contra a pátria de Bolívar pelo regime supremacista dos Estados Unidos, cujo objetivo é intensificar as ameaças já repetidas contra o povo [venezuelano], e pretender, com a sua ingerência, submeter a uma nova colonização”.

O Governo venezuelano considera que as sanções “violam a Carta da ONU e os princípios mais elementares do direito internacional que regem as relações civilizadas entre Estados soberanos”.

“Constituem uma nova agressão imperial orientada para intensificar o ataque contra o povo, pretendendo, pela via do bloqueio comercial, da perseguição financeira e do boicote económico, provocar o caos na nossa economia e assim quebrar a vontade do nosso povo”, refere.

Segundo o Governo venezuelano, com as sanções, a administração de Donald Trump “comete um crime que lesiona a Humanidade e que pode ser denunciado no Tribunal Penal Internacional como uma violação do Estatuto de Roma”.

“A Venezuela deu um tremendo salto para o futuro ao lançar um mecanismo económico, revolucionário, como o Petro, apoiado por mais de cinco mil milhões de barris de petróleo, o que permitirá que o país quebre as amarras do dólar e abra as portas para a realização firme da prosperidade do nosso sistema económico e produtivo”, afirma ainda.

O comunicado refere ainda que “o Governo da Venezuela, apesar desta nova e grosseira intromissão, ratifica perante a comunidade internacional e outros setores da económica global a sua firme, absoluta e soberana decisão de continuar a promover a tecnologia ‘Blockchain’ e fazer do Petro uma das criptomoedas mais sólidas e confiáveis do mundo”.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, assinou segunda-feira uma ordem executiva que proíbe as empresas e os cidadãos norte-americanos ou estrangeiros radicados no país de realizarem transações em qualquer tipo de moeda digital emitida pelo seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro.

“Proíbem-se todas as transações relacionadas com a provisão de financiamento e outras negociações, a pessoas dos Estados Unidos ou dentro dos EUA, com qualquer moeda digital que tenha sido emitida por, para ou em nome do Governo da Venezuela, a partir de 09 de janeiro de 2018”, lê-se na ordem executiva.

Ler mais
Relacionadas

Crise na Venezuela pode (sem intenção) equilibrar o mercado petrolífero

“Entre os países da OPEP, o maior fator de risco é, e provavelmente continuará a ser, a Venezuela”, indicou um relatório da Agência Internacional de Energia. Devido à crise económica, as estimativas apontam para uma redução ainda maior da capacidade de produção do país.

Venezuelanos criaram “Frente Ampla” de luta “contra a ditadura”

Representantes de diversos sindicatos da saúde, académicos e estudantes realizaram na terça-feira uma assembleia de grémios, à qual chamaram “A Venezuela não se rende”, para criar uma “Frente Ampla Nacional” de luta “contra a ditadura”.

Crise económica e social permanece na Venezuela, cinco anos após a morte de Chavez

A poucos meses das eleições presidenciais, o Presidente Maduro apresenta-se a um segundo mandato para permanecer no poder até 2025 e tem como opositores Henri Falcón, um dissidente do ‘chavismo’, e quatro outros candidatos.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários