Verbas para combater incêndios caíram 9% com Governo de Costa

Orçamento do Estado para este ano prevê novos quartéis de bombeiros, mais viaturas e reparação de dois dos helicópteros pesados de combate aos fogos.

Reuters

A dotação do Ministério da Administração Interna para protecção civil e luta contra incêndios caiu cerca de 9% nos dois orçamentos do Estado da responsabilidade do Governo de António Costa, face à média anual do anterior Governo PSD/CDS.

No OE2017, o Governo inscreveu uma verba de 211 milhões de euros para esta rubrica e no anterior a verba tinha ficado em 208 milhões de euros. Na legislatura anterior, o Governo de Passos gastou em média 231 milhões de euros por ano com protecção civil e combate a incêndios, pelo que há uma queda em torno de 9% com a mudança de Executivo.

 

De acordo com o OE2017, Governo comprometia-se este ano continuar a investir no fortalecimento do sistema de proteção civil. “A construção, remodelação e ampliação de quartéis de bombeiros e a aquisição de mais viaturas e meios operacionais serão uma realidade”, apontava o documento.

O Governo indicava que o Grupo de Intervenção Proteção e Socorro da GNR e a Força Especial de Bombeiros da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) seriam reequipados. “A frota de meios aéreos sob a responsabilidade da ANPC será reposta com a reparação de dois dos helicópteros pesados”, acrescentava o documento.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários