Violência faz 13.000 feridos palestinianos

Comité Internacional da Cruz Vermelha considera que, se a violência aumentar e resultar num novo fluxo massivo de feridos, “não será possível enfrentá-lo”.

A violência armada em torno dos protestos dos palestinianos na Faixa de Gaza e os recentes confrontos entre o Hamas e o exército de Israel causaram 13 mil feridos, dos quais 1.350 necessitarão de três a cinco intervenções cirúrgicas.

Esses dados foram divulgados pelo chefe dos serviços médicos do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) nos territórios palestinianos, Gabriel Salazar.

O responsável do CICV acrescentou ainda que terão de fazer um total de 4.000 cirurgias nos próximos meses, das quais metade vai ser realizada pelas equipas desta organização.

“Esta situação levou a uma crise de saúde sem precedentes. O sistema de saúde está à beira do colapso, os medicamentos estão a terminar e a eletricidade é limitada, o que afeta todos os serviços essenciais”, disse por sua vez o diretor do CICV para Médio Oriente, Robert Mardini.

A organização considerou que, se a violência aumentar e resultar num novo fluxo massivo de feridos, “não será possível enfrentá-lo”.

“Gaza é um navio que está a afundar, que se está a tornar num lugar onde é quase impossível viver”, disse Mardini numa conferência de imprensa na sede do CICV, em Genebra.

Por teleconferência de Jerusalém, Salazar disse que ao contrário do que aconteceu na guerra de 2014, os palestinianos foram feridos especialmente na parte inferior do corpo, exigindo tratamentos complicados, demorados e dispendiosos.

“Estamos a falar de três a cinco cirurgias, o que implica em longos períodos de recuperação, cirurgias plásticas e fisioterapia, que podem durar meses ou anos”, disse Salazar.

Durante este período, segundo Salazar, a prioridade tem sido “salvar vidas e membros”.

Para atender as enormes necessidades médicas em Gaza, o CICV está a deslocar duas novas equipas cirúrgicas e uma grande quantidade de suprimentos para os centros de saúde locais, ações que serão mantidas nos próximos seis meses.

Esta operação – adicional às numerosas atividades realizadas regularmente em Gaza – custará à CICV 5,3 milhões de dólares (4,5 milhões de euros) até ao final de 2018, apelando à generosidade dos doadores.

Além disso, esta emergência surge num ano em que as contribuições para a ação humanitária nos territórios palestinianos foram menores do que o habitual e esperado, explicou Mardini.

O orçamento do CICV de 2018 para Israel e Palestina é de 49 milhões de dólares (41,9 milhões de euros) – apenas 18,5 milhões de dólares (15,8 milhões de euros) foram recebidos até agora -, ao qual devem ser adicionados 5,3 milhões de dólares (4,5 milhões de euros) extras necessários para enfrentar o último episódio de violência.

O plano revisto da instituição considera a abertura de um serviço de cirurgia de 50 camas numa ampliação no principal hospital de Gaza.

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários