Volume nas bolsas europeias sobe a pique com castigo vindo de Itália

A instabilidade política em Itália é o tema central da sessão. O PSI 20 cai 2,23% com todas as cotadas no ‘vermelho’. Na Europa, não há bolsas em terreno positivo.

Reuters

O volume de negociação das bolsas aumentou esta terça-feira, graças à instabilidade política em Itália, que está a marcar o dia nos índices europeus. O português PSI 20 cai 2,23% para 5.390,31 pontos, com destaque para o tombo de 7,34% do BCP e com todas as cotadas no ‘vermelho’. Na Europa, as principais praças afundam.

“Os volumes negociados são bastantes fortes no índice Euro Stoxx 50, quase o dobro face às últimas 20 sessões. A instabilidade política em Itália é tema central”, explicou Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

O índice pan-europeu Stoxx 50 cai 1,37% para 3.438,45 pontos. Entre as bolsas nacionais, o italiano FTSE MIB cai 2,07%, enquanto o espanhol IBEX 35 afunda 2,29%. O francês CAC 40 perde 1,06%, o alemão DAX recua 1,14%, o holandês AEX resvala 0,74% e o britânico FTSE 100 cai 1,20%.

As preocupações dos investidores esta terça-feira prendem-se com a instabilidade política em dois países europeus. Em Itália, haverá um governo de gestão até, pelo menos, setembro, altura em que haverá novas eleições legislativas. Já em Espanha, o PSOE anunciou que vai apresentar uma moção de censura ao governo de Mariano Rajoy.

Loureiro lembrou que há também “um ambiente de correção nas bolsas europeias, com o regresso à negociação dos mercados norte-americano e britânico”, após o feriado na segunda-feira.

Banca lidera perdas e BCP não escapa

Em Lisboa, o foco está no BCP, cujas ações desvalorizam 7,26% para 0,2414 euros, em linha com a banca europeia, que está a ser o setor mais penalizado pela situação política europeia. “Todo o setor financeiro na Europa está a ser afetado pelos eventos em Itália, e o BCP é vulnerável a isso, sem dúvida”, explicou Gualter Pacheco, trader da GoBulling. O índice Stoxx Europe 600 Banks desce 2,59%.

Na energia, a Galp cai 1,41% para 15,380 euros por ação, enquanto a EDP resvala 1,04% para 3,343 euros, a EDP Renováveis desliza 0,25% para 8,000 euros e a REN cai 3,33% para 2,326 euros.

Entre as maiores quedas estão ainda a Pharol (5,14%), a F. Ramada (3,92%), os CTT (3,59%) e a Corticeira Amorim (3,23%).

Nem a desvalorização do euro (que deprecia 0,39% para 1,158 dólares) está a chegar para beneficiar o setor do papel e pasta de papel, que negoceia também com perdas. A Semapa recua 2,79% para 20,900 euros, a Navigator cai 1,03% para 5,265 euros e a Altri perder 1,07% para 7,370 euros.

“Os próximos dias serão mais ricos em termos de indicadores macroeconómicos e por isso é natural que os investidores estejam mais cautelosos. Para hoje teremos indicadores de confiança e ambiente económico em Portugal que merecem observação. Por cá a Navigator anunciou datas de pagamento de dividendo”, acrescentou Ramiro Loureiro, do Millenium BCP.

Ler mais

Relacionadas

Itália assusta investidores. ‘Yield’ de Portugal a 10 anos toca 2,5%

As preocupações dos investidores esta terça-feira prendem-se com a solução governativa em Itália e a moção de censura ao Governo espanhol. No mercado secundário, os juros de Espanha, Itália, Portugal e Grécia disparam, enquanto Alemanha e EUA beneficiam.

Bolsa portuguesa afunda quase 3%. BCP pressiona com tombo de 7%

O principal índice bolsista nacional tomba 2,86%. A instabilidade política em Itália e Espanha leva as principais praças europeias para o ‘vermelho’. O efeito de contágio está a penalizar o setor bancário, sobretudo no sul da Europa.

BCP tomba 7% e segue banca europeia abalada pela crise política em Itália

“Todo o setor financeiro na Europa está a ser afetado pelos eventos em Itália, e o BCP é vulnerável a isso, sem dúvida”, explicou Gualter Pacheco, trader da GoBullimg, no Porto.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários