Wall Street abre em alta com estratégia de Trump a dar frutos

“A estratégia de Trump está a dar frutos”, diz a gestora da XTB, referindo-se ao facto do presidente norte-americano colocar os países em xeque e voltar atrás depois de conseguir negociar melhores condições para a sua balança comercial.

Brendan McDermid / Reuters

A bolsa de Nova Iorque voltou a abrir em alta,seguindo a tendência de ontem. O Dow Jones valoriza  0,25% para 24.262,19 pontos; o S&P 500 também em alta, de 0,14% para 2,.662,4 pontose o Nasdaq  sobe 0,28% para 7.240,6 pontos. O mercado dos EUA a revelar uma força que falta às bolsas europeias, apesar de estarem em terreno positivo.

Segundo Carla Maia Santos, gestora da corretora XTB, no seu Outlook, diz que “o mercado inspira e relaxa com o amenizar das tensões entre os gigantes China e EUA, que se encontram em negociações para que a China possa importar mais bens dos EUA, impedindo que os norte-americanos avancem com impostos tão agressivos, no valor de 60 mil milhões dólares, sobre os bens chineses”.

Estratégia de Trump está a dar frutos

“Também a Coreia do Sul mostra abertura para aumentar a importação de automóveis americanos de forma a não ser condecorada com impostos sobre o aço, por parte dos EUA, e assim se vê que a estratégia de Trump está a dar frutos”, diz a gestora da XTB, referindo-se ao facto de o presidente norte-americano colocar os países em xeque e voltar atrás depois de conseguir negociar melhores condições para a sua balança comercial.

Amanhã serão divulgados os dados finais do PIB dos Estados Unidos de 2017, e os dados da inflação saem na quinta-feira. O indicador PCE mede a evolução dos gastos do consumidor e é a medida preferida do Federal Reserve (Fed) para calibrar as expectativas de inflação.

Nesta terça-feira, o índice de preço de habitação de Case-Shiller para janeiro foi publicado, o que mostra um aumento ano a ano de 6,4% (ligeiramente acima da previsão de 6,2%); e será publicado hoje o índice de produção industrial do Fed de Richmond em março (uma queda de 28 para 23).

O petróleo sobe no mercado norte-americano. o WTI valoriza 0.34% para 65,77 dólares e o Brent de Londres ganha 0,58% para 70,53 dólares o barril.

Segundo Carla Maia Santos, “a crise diplomática em torno da Rússia é evidente, mesmo com o petróleo a negociar em máximos de várias semanas assistimos a um sell-off total do índice [Rus50 hammer]”. A analista adianta que o “price action no entanto mudou nos 61.8. O ativo testou um suporte diário que é o limite inferior de um canal descendente, fechou com uma vela de inversão e apesar de estar novamente em queda esta manha está numa zona onde a dinâmica é altista. Assim entradas perto dos 61.8 com stop abaixo desse nível ou caso se forme um duplo fundo, são as melhores entradas considerando a relação risco/recompensa nesta zona”, diz a gestora da XTB.

O cross euro-dólar está hoje a pender para o dólar, que valoriza 0,42% face ao euro para 1,2392 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Hipótese de guerra comercial abala empresas exportadoras alemãs

A decisão dos EUA de aumentar as tarifas alfandegárias à importação de aço e metal afetou as expetativas de produção de metal e da indústria transformadora em março, segundo o instituto Ifo.

Tarifas alfandegárias: aço e alumínio são o primeiro tiro na guerra comercial de Donald Trump

O aumento das tarifas alfandegárias às importações de matérias-primas para os EUA deverá ter maior impacto na Ásia, em especial na China.

Guerra comercial preocupa “seriamente” empresas portuguesas

O setor do aço e alumínio em Portugal poderá sofrer o impacto das subidas nas tarifas às importações nos EUA. Para a economia, o efeito deverá ser limitado.

UE insiste em tornar permanentes isenções de tarifas, mas Ifo alerta para os riscos

Isenção é válida até dia 1 de maio e inclui ainda a Austrália, Argentina, Brasil e Coreia do Sul. Mas os países que englobam a UE não se deram por satisfeitos.
Guerra Comercial EUA-China

China ameaça aumentar impostos sobre importações dos EUA

A China anunciou que poderá aumentar os impostos sobre as importações de vários produtos norte-americanos, que em 2017 representaram três mil milhões de dólares nas compras a Washington, em retaliação a medidas similares dos Estados Unidos.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários