Wall Street abre em baixa na primeira sessão da semana, também por causa de Itália

O S&P 500 deprecia 0,60%, para 2.705,11; o Dow Jones cai 0,59%, para 24.606,59; e o Nasdaq recua 0,48%, para 7.398,51 pontos.

Crash de 25% em Wall Street

Após uma pausa mais prolongada que o habitual, devido ao feriado (‘Memorial Day’) de segunda-feira nos Estados Unidos, os principais indices de Wall Street iniciaram a semana a cair, sofrendo também com a instabilidade política italiana.

O S&P 500 deprecia 0,60%, para 2.705,11, enquanto o Dow Jones industrial cai 0,59%, para 24.606,59, e o Nasdaq recua 0,48%, para 7.398,51 pontos.

Esta segunda-feira, os receios dos investidores são visíveis com os principais índices europeus a tombar face à possibilidade de a Itália ter de enfrentar novo período eleitoral só depois do verão, após o presidente da República italiano, Sergio Matarella, ter rejeitado a primeira proposta de Giuseppe Conte e, por conseguinte, ter convidado o antigo direitor do FMI, Carlo Cotarelli, a formar um governo de gestão.

Na Europa a situação agudiza-se, tendo em conta que Espanha também pode entrar num período político duvidoso, uma vez que o PSOE já anunciou que irá apresentar uma moção de censura ao governo de Mariano Rajoy.

O setor bancário, sobretudo, tem sido esta manhã bastante afectado pelo cenário político e, por contágio, os índices de Wall Street também refletem pessimismo.

A instabilidade política provocou um aumento do risco das dívidas soberanas dos países periféricos da zona euro, que procuram uma fuga para a segurança, em parte, nos EUA.

Os juros das Bunds a 10 anos, um ativo de refúgio para os investidores em tempo de turbulência descem 6,36 pontos base, para 2,867%, nos EUA.

Ler mais

Relacionadas

Volume nas bolsas europeias sobe a pique com castigo vindo de Itália

A instabilidade política em Itália é o tema central da sessão. O PSI 20 cai 2,23% com todas as cotadas no ‘vermelho’. Na Europa, não há bolsas em terreno positivo.

Bolsa portuguesa afunda quase 3%. BCP pressiona com tombo de 7%

O principal índice bolsista nacional tomba 2,86%. A instabilidade política em Itália e Espanha leva as principais praças europeias para o ‘vermelho’. O efeito de contágio está a penalizar o setor bancário, sobretudo no sul da Europa.

Itália assusta investidores. ‘Yield’ de Portugal a 10 anos toca 2,5%

As preocupações dos investidores esta terça-feira prendem-se com a solução governativa em Itália e a moção de censura ao Governo espanhol. No mercado secundário, os juros de Espanha, Itália, Portugal e Grécia disparam, enquanto Alemanha e EUA beneficiam.

Portugal manterá um dos maiores níveis de insolvência em 2018, prevê CyC

A evolução de Portugal, com uma descida do desemprego e uma produção industrial em desaceleração mas ainda a crescer, permite esperar uma diminuição das insolvências na ordem dos 14%.

Consumidores italianos menos confiantes em maio

O índice de confiança dos consumidores de Itália caiu no mês passado, para 113,7. “A evolução negativa do indicador de confiança do consumidor reflete uma dinâmica desfavorável de todos os componentes, mas com diferentes intensidades”, refere o Istat.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários