Wall Street e dólar caem depois de Trump acusar UE de manipular o euro

Principais índices norte-americanos abriram mistos na última sessão da semana.

Reuters

As principais bolsas norte-americanas abriram esta sexta-feira sem tendência definida. Novas ameaças de uma escalada na guerra comercial, após Donald Trump ter endurecido o discurso contra a China e a União Europeia, penalizaram especialmente o setor industrial. Em sentido contrário, a tecnologia segue em alta.

O índice industrial Dow Jones cai 0,09% para 25.041,14 pontos. Por outro lado, o financeiro S&P 500 abriu a ganhar 0,01% para 2.804,55 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq Composite avança 0,23% para 7.843,08 pontos.

“A China, a União Europeia e outros têm manipulado as moedas e as baixas taxas de juro, enquanto os EUA têm subido os juros com o dólar a tornar-se mais forte a cada dia que passa, o que nos tira a nossa grande vantagem competitiva”, escreveu o presidente dos EUA no Twitter.

A reação foi uma queda de 0,67% da moeda norte-americana face ao euro para 1,1720 dólares. No mercado de dívida, a yield das Treasuries a 10 anos sobem 3,3 pontos base para 2,871%.

[Notícia atualizada às 15h10]

Relacionadas

Wall Street fecha em queda em plena temporada de resultados das tecnológicas

A Microsoft apresentou os resultados já depois do sino tocar. A tecnológica divulgou um lucro por ação (EPS) de 1,14 dólares contra 1,08 dólares esperado pelo consenso.

Protecionismo ameaça bom comportamento do setor químico mundial, alerta Cyc

Se as disputas comerciais internacionais se intensificarem, frisa a Crédito y Caución, há um risco imediato de que as medidas de retaliação adotadas afetem a indústria química.

China nega estar a bloquear acordo para evitar guerra comercial com os EUA

A China acusa Donald Trump de ter prestado declarações “falsas” e “chocantes” e adverte que a falta de compromisso com um acordo vem da parte dos Estados Unidos.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários