Wall Street em máximos pelo segundo dia consecutivo

A economia norte-americana criou menos postos de trabalho no mês de maio. Foram criados 138 mil empregos e a taxa de desemprego fixou-se em 4,3%.

Lucas Jackson/Reuters

Na última sessão da semana o Dow Jones fechou nos 21.206,29 pontos (+0,29%); o S&P 500 ganhou +0,37% para 2.439,07 pontos e o Nasdaq fechou nos  6.305,8 pontos (+0,94%).

As ações da Microsoft, que subiram 2,37%, lideraram seguida pela Boeing (+1,52%) e Apple (+1,48%). Ao contrário, os valores que mais caíram foram as petrolíferas  Exxon Mobil (-1,57%) e Chevron (-1,15%).

A economia norte-americana criou menos postos de trabalho no mês de maio. Foram criados 138 mil empregos e a taxa de desemprego fixou-se em 4,3%.

Alguns gestores do Goldman Sachs, JP Morgan, Tesla Motors,  Virgin e Apple saíram hoje a criticar a decisão de Trump de abandonar o Acordo de Paris.

Noutros mercados, o petróleo West Texas perdeu 1,28% para os 47,74 dólares.

 

 

 

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários