Wall Street fecha em baixa e Dow Jones afasta-se dos 20 mil pontos

Hoje a sessão foi marcada pela notícia de que Trump irá anunciar medidas benéficas para os trabalhadores dos EUA; pela notícia de que a McDonalds vai vender o seu negócio na China e Hong Kong ao chinês Citi ou ao norte-americano Carlyle; e pela alta do petróleo.

Wall Street viu fechar em perdas os três principais índices (Dow Jones: -0,56% para 19.833,68 pontos; o Nasdaq: -0,89% para 5.438,56 pontos e o S&P 500: -0,81% para 2.250,67 pontos) depois de uma abertura em ligeira alta. O Dow Jones está hoje mais longe da linha dos 20.000 pontos que noutras sessões se chegou a admitir que pudesse atingir.

Em termos de sectores a maior queda coube à indústria (-0,8%). Já a energia foi o sector que menos caiu (-0,36%).

Hoje destacamos  notícia da possível venda da cadeia de restaurantes de fast food McDonald na China ao conglomerado financeiro chinês, e estatal, Citic ou ao fundo de investimento norte-americano Carlyle, relata o jornal oficial China Daily.

Os mais de 2.200 estabelecimentos da McDonald na China e Hong Kong estão avaliados em cerca de 2.000 milhões de dólares, de acordo com o jornal, que não deu detalhes sobre a quantidade de propostas apresentadas por potenciais compradores.

A multinacional de fast food ainda não confirmou, mas anunciou que só revela detalhes da operação quando já estiver fechado.

Outras empresas chinesas como Beijing turismo ou Sanpower também demonstraram interesse em investir no negócio que a McDonald tem na China.

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta quarta-feira, deverá anunciar uma medida económica “muito positiva” para os trabalhadores norte-americanos. Isto mesmo foi dito pelo porta-voz da equipe de Trump, Sean Spicer, que referiu que o magnata realizará entre as 22h00 e as 23h00 horas nesta quarta-feira uma conferência de imprensa onde fará esse anúncio. Os mercados norte-americanos receberam a notícia com entusiasmo mas não chegou para puxar a bolsa para terreno positivo.

Os ganhos vieram do mercado do petróleo, especialmente do barril de Brent, referência na Europa. O Brent marcou máximos anuais em torno dos 56,1 dólares. Por sua vez o petróleo West Texas, de referencia nos EUA, está nos 53,9 dólares.

No mercado de divisas, o euro caiu 0,50%, até aos 1,0406 dólares, e mantêm-se cotado em mínimos dos últimos 14 anos.

 

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários