Wall Street fecha mista depois da demissão do conselheiro económico

O Livro Bege da Reserva Federal (Fed), publicado hoje, salienta que a atividade económica continuou a expandir-se durante os dois primeiros meses deste ano com uma taxa de crescimento “modesto a moderado” e que os salários e os preços estão a aumentar.

Brendan McDermid / Reuters

O Dow Jones terminou esta quarta-feira com uma queda de 0,33% para os 24.801,36 pontos, depois de ter chegado a ceder mais de 1% após a renúncia de Gary Cohn, o principal conselheiro económico de Donald Trump, em protesto contra a medida de imposição de tarifas à importação de aço e alumínio.

O S&P 500 caiu 0,05% para 2.726,8 pontos e o Nasdaq conseguiu fechar com um aumento de 0,33% para os 7.396,65 pontos.

Trump reagiu à demissão do seu consultor económico chefe, no Twitter, dizendo que vai tomar uma decisão em breve sobre a nomeação do novo Conselheiro Económico. “Muitas pessoas desejam o lugar – escolheremos com sabedoria!”, disse. O Ex- banqueiro de investimentos do Goldman Sachs e até agora chefe do Conselho Económico Nacional foi dos opositores às medidas protecionistas do Governo.

Trump deve decidir esta semana se dá luz verde às tarifas sobre as importações de alumínio e aço que foram propostas na semana passada pela sua Administração. Tarifas que têm a oposição de muitos republicanos e membros da Federal Reserve, de especialistas e de parceiros de negócios dos Estados Unidos.

A  notícia das tarifas comerciais pesou em Wall Street, mas a sessão melhorou após a publicação do livro Bege da Fed, no qual a instituição observa que as pressões de salários e preços nos Estados Unidos estão a aumentar.

O IBM subiu 1,67% e a Intel Corp subiu 1,20% e foram as ações do Dow que mais subiram. Nas quedas a liderança coube à Exxin Mobile (-2,52%), seguindo-se a Travelers (1,78%).

Os principais dados económicos do dia foram o indicador mensal de emprego da consultora ADP. Os EUA criaram cerca de 235 mil empregos no mês de fevereiro no setor privado. Uma figura que excede o esperado pelos analistas, e que era de 195 mil empregos.

Este número dá uma ideia uma prévia do Relatório de Emprego de Fevereiro, que será publicado na próxima sexta-feira. O consenso prevê a criação de 200 mil empregos e a queda da taxa de desemprego para 4%, de 4,1%, mas os analistas subiram a previsão para 225,000, a partir de 200 mil.

O Livro Bege da Reserva Federal (Fed),  publicado hoje,  salienta que a atividade económica continuou a expandir-se durante os dois primeiros meses deste ano com uma taxa de crescimento “modesto a moderado” e que os salários e os preços estão a aumentar.

A atenção também será focada na evolução dos salários, que mostrou um aumento interanual de 2,9% no mês passado e aumento das pressões inflacionistas nos EUA, algo que foi confirmado pelo livro bege do Fed. A previsão é que moderem para 2,8% numa comparação anual.

Noutros mercados o petróleo caiu em Nova Iorque. o WTI desvaloriza 2,03% para 61,33 dólares e o Brent de Londres caiu 1,93% para 64,52 dólares.

O euro sobe 0,07% para 1,2413 dólares.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários