Wall Street fecha no verde, numa semana de perdas

Os ganhos desta sexta-feira não compensam no entanto as perdas da semana. O Dow Jones perde 1,5% nas últimas cinco sessões; S & P 500, 1,25% e Nasdaq, 1%.

Brendan McDermid / Reuters

O Dow Jones subiu 0,29% para 24.946,5 pontos; o S&P 500 ganha 0,17% para 2.752 pontos e o Nasdaq manteve-se nos 7.482 pontos. Os ganhos desta sexta-feira não compensam no entanto as perdas da semana. O Dow Jones perde 1,5% nas últimas cinco sessões; S & P 500, 1,25% e Nasdaq, 1%.

No mundo dos negócios, hoje ficou a saber-se que Qualcomm, fabricante de chips cuja compra pela Broadcom foi bloqueada esta semana pela Administração Trump, pode deixar de ser uma empresa cotada. Segundo o Financial Times, o seu ex-presidente, Paul Jacobs, está à procura de investidores para lançar uma oferta para a comprar. As ações da Qualcomm recuperaram 1,22% após a notícia.

Por outro lado, conforme noticiado pela Bloomberg, o IPO (Oferta Pública Inicial) da Aramco, o conglomerado de petróleo da Arábia Saudita, está a ter uma recepção fria entre os investidores norte-americanos. A Saudi Aramco deverá entrar na bolsa durante o primeiro semestre de 2019, embora a avaliação de 2 mil milhões de euros pretendida pelos sauditas seja muito alta, de acordo com a primeira análise.

No Dow Jones, o Walmart (+ 2,33%) foi o valor mais altista, seguido da American Express (+ 1,29%) e da Caterpillar (+ 1,22%). As ações que mais caíram foram as da Nike (-0,72%) por causa da demissão do presidente Trevors Howard  acusado de conduta irregular, seguidos pelas UnitedHealth (-0,71%) e Cisco Systems (-0,71%).

Nesta sexta-feira foram conhecidas as autorizações para construção de casas, que baixaram 5,7%. Embora o consenso tenha esperado uma queda superior a 12,3%. As permissões concedidas para a construção de novas casas caiu para 1.298 mil. Analistas previam acréscimo para 1.320 mil permissões.

O número de construções iniciadas nos Estados Unidos recuou em fevereiro, na comparação com o mês anterior, para 1.236 mil casas, segundo informações divulgadas hoje pelo Departamento do Comércio de País. O resultado veio abaixo do esperado pelo mercado, que estimava expansão para 1.290 mil casas (ou 1,29 milhões).

Além disso, a produção industrial do mesmo mês recuperou 1,1%, muito acima dos 0,3% antecipados. E a confiança preliminar do consumidor de março, preparada pela Universidade de Michigan, excedeu as previsões e marcou um máximo de 14 anos em 102, acima da queda esperada para 99,3 de 99,7.

No mercado de commodities, o petróleo do West Texas subiu 1,88% para 62,34 dólares, enquanto o Brent subiu 1,38% para 66,02 dólares.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários