Wall Street inicia julho com perdas. Tesla contraria pessimismo e sobe 5%

Industrial Dow Jones perde 0,56%, para 24.134,37 pontos, e, na mesma linha, o financeiro S&P 500 recua 0,55%, para 2.702,92 pontos.

Brendan McDermid/Reuters

A bolsa de Nova Iorque arrancou a sessão desta segunda-feira, dia 2 de julho, a negociar em terreno negativo. Entre os três principais índices bolsistas norte-americanos, o industrial Dow Jones perde 0,56%, para 24.134,37 pontos, e, na mesma linha, o financeiro S&P 500 recua 0,55%, para 2.702,92 pontos. Também o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,53%, para 7.471,18 pontos, enquanto o Russell 2000 desliza 0,58%, para 1.633,62 pontos.

O jornal espanhol “El Economista” noticiou hoje que o governo espanhol pretende cobrar a taxa audiovisual que já aplica aos canais de televisão privados concorrentes da radiotelevisão pública espanhola, a RTVE, aos novos concorrentes audiovisuais como a Netflix e Amazon Prime ou YouTube. A empresa de streaming está a cair 0,62%, para 388,99 dólares. A retalhista liderada por Jeff Bezos recua 0,46%, para 1.692.05 dólares.

“Wall Street acompanha o sentimento de correção das praças europeias e asiáticas com os investidores atentos ao desenrolar da ‘guerra comercial’ e à espera dos indicadores de atividade industrial norte-americana. O flow empresarial é diminuto neste arranque, com destaque para o disparo das ações da Tesla após cumprir com os objetivos de produção do Model 3”, salienta Ramiro Loureiro, Mtrader do Millennium bcp. A fabricante automóvel presidida por Elon Musk contraria o pessimismo de Wall Street e sobe 5,22%, para 360,84 dólares.

No mercado petrolífero, o Brent perde 1,38%, para os 78,14 dólares por barril, enquanto o crude WTI desvaloriza 0,61%, para os 73,70 dólares. A quebra acontece um dia depois de o embaixador do Irão junto da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ter afirmado que a Arábia Saudita não tem capacidade para aumentar a sua produção desta matéria-prima em dois milhões de barris diários.

Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,74%, para 1,1598 dólares, enquanto a libra recua 0,86%, para 1,3098 dólares. O peso mexicano está a desvalorizar desde que o país sul-americano elegeu este domingo o político mexicano de esquerda Andrés Manuel López Obrador como novo presidente. Por volta das 14:30 (hora de Lisboa), o peso mexicano recuava 1,19% face ao dólar (para 0,049764 dólares) e deslizava 0,50% quando comparado com o euro (para 0,04277 euros).

“A ausência de mais más notícias poderá ser uma boa notícia. O que importa no muito curto prazo para as bolsas não é tanto que os dados económicos melhorem, mas sim que os obstáculos que as bloqueiam se dissipem. Para lá do curto prazo, pensamos que, com os verdadeiros fundamentais de mercado inalterados, os obstáculos de curto prazo (petróleo, Alemanha e protecionismo) apenas geram ruído e proporcionam melhores pontos de entrada”, assinalam os analistas da sucursal portuguesa do Bankinter, no research de hoje.

Os mercados financeiros norte-americanos estão também pressionados pela conjuntura política, à semelhança das principais praças europeias. Numa entrevista divulgada ontem à tarde, o presidente norte-americano afirmou que a União Europeia (UE) é “possivelmente tão má como a China” na sua relação comercial com os Estados Unidos da América, apesar de o seu país gastar “uma fortuna na NATO” para proteger os europeus.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários