Wall Street na linha de água em sessão com pouca liquidez

Bolsas norte-americanas em modo de pausa negoceiam sem grandes variações, numa sessão em que dados sobre uma subida nos ‘stocks’ quebra uma série de ganhos no crude.

John Gress/Reuters

Os mercados acionistas norte-americanos negoceiam praticamente inalterados, com os investidores em modo de pausa no período de final de ano, e o volume de negociação reduzido.

O industrial Dow Jones sobe 0,07% para 19.848 pontos, após ontem ter caído mais de meio ponto percentual para afastar-se do marco histórico dos 20.000 pontos. O tecnológico Nasdaq e o S&P seguem praticamente ‘flat’, isto após o S&P ter na sessão anterior ter caído para o valor mais baixo em dois meses.

No mercado petrolífero, o crude interrompeu o ‘rally’ de oito sessões consecutivas e perde 0,20% para 53.95 dólares por barril. Em sentido contrário, o  Brent valoriza 0,23% para 57.09 dólares.

Uma surpreendente subida nos ‘stocks’ de crude nos EUA está a contrariar a recente tendência de ganhos que impulsionou as cotações para máximos de julho de 2015. O otimismo sobre o impacto do acordo entre os membros da OPEP e outros produtores tem levado o preço do petróleo a avançar.

Segundo dados do American Petroleum Institute (API) na quarta-feira, os inventários subiram 4,2 milhões de barris, face a uma estimativa de descida de 2,1 milhões de barris numa sondagem da Reuters.

No mercado cambial, o dólar inverteu a tendência de ganhos e caiu para mínimo de duas semanas face ao iéne. O euro avança 0,37% para 1.0454 dólares, e a libra esterlina valoriza 0,16% para 1.2247 dólares.

 

Ler mais

Relacionadas

BCP atinge novo mínimo histórico, Europa acorda no vermelho

O PSI 20 negoceia em terreno vermelho castigado pelos títulos da banca e do Grupo EDP.

Wall Street fecha em baixa e Dow Jones afasta-se dos 20 mil pontos

Hoje a sessão foi marcada pela notícia de que Trump irá anunciar medidas benéficas para os trabalhadores dos EUA; pela notícia de que a McDonalds vai vender o seu negócio na China e Hong Kong ao chinês Citi ou ao norte-americano Carlyle; e pela alta do petróleo.

Bolsas nos EUA fecham em alta, contagiadas pelos preços do crude

O acordo dos produtores para cortar a produção levou os preços do crude à sétima sessão de ganhos, suportando os índices em Wall Street.

Wall Street sobe com crude e Nasdaq em recorde apoiado pela Apple

Preços do petróleo sobem pelo sétimo dia seguido e animam mercados acionistas. Apple sobe quase 1% e leva Nasdaq a novo máximo.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários