Walmart eleva idade mínima para a compra de armas

O grupo de distribuição também retirou alguns modelos do seu catálogo, o mesmo tendo sucedido com a Dick’s Sporting Goods, a maior loja de comércio de armas dos Estados Unidos.

A Walmart, um dos gigantes do comércio americano, elevou esta quinta-feira para os 21 anos a idade mínima para comprar armas de fogo e munições nas suas lojas, uma medida adotada “à luz de eventos recentes”, disse fonte da companhia.

Além de aumentar a idade para a compra de armas e munições, a Walmart também anunciou que retira do seu portefólio produtos que “se assemelham a espingardas de assalto”, incluindo armas de pressão de ar e mesmo brinquedos tipo ‘airsoft’.

A Walmart deixou de vender espingardas de assalto em 2015 – como a popular AR-15, usada em vários tiroteios nos Estados Unidos, incluindo aquele que aconteceu há duas semanas atrás numa escola da Flórida, onde morreram 17 pessoas. A multinacional com sede no Arkansas também não vende pistolas nas suas lojas, exceto no Alasca.

“A nossa tradição como empresa sempre foi ao serviço de atletas e caçadores, e continuaremos a fazê-lo de maneira responsável”, afirmou a empresa em comunicado.

A decisão da Walmart ocorre no mesmo dia em que a empresa de equipamentos esportivos Dick’s Sporting Goods, a maior loja de comércio de armas dos Estados Unidos, anunciou que remove do seu catálogo as espingardas de assalto. E, tal como a Walmart, a Dick’s Sporting Goods também elevou para 21 anos a idade mínima para a aquisição de armas no interior das suas lojas.

“Somos determinados defensores da Segunda Emenda, eu também tenho armas, mas não queremos fazer parte desta história e eliminamos permanentemente essas armas”, disse Edward Stack, diretor executivo da empresa.

A decisão das duas empresas surge depois de várias empresas de topo e instituições bancárias norte-americanas terem decidido acabar com os benefícios que colocavam à disposição da associação das empresas de armamento, a NRA, como forma de responder ao enorme clamor social que se elevou na sociedade norte-americana depois dos acontecimentos da Flórida.

Isto apesar de o presidente norte-americano, Donald Trump, se manter firme na decisão de não proibir a venda aberta de armas no país.

Ler mais
Relacionadas

“Não queremos ser parte desta história”. Maior retalhista de armas dos EUA deixa de vender espingardas

Empresa de equipamentos desportivos Dick’s Sporting Goods irá ainda restringir as vendas de armas a menores de 21 anos.

“Não passo nem mais um cheque”: Ex-embaixador dos EUA em Portugal quer fim das armas de fogo

Alfred Hoffman Jr. é um conhecido apoiante do Partido Republicado, que angariou milhões de dólares ao longo dos anos para vários candidatos e causas no partido. No entanto, fez um ultimato ao partido devido à legislação sobre armas de tipo militar.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários