‘Why Portugal’? Macedo Vitorino & Associados lança guia online para investidores estrangeiros

A plataforma digital “Why Portugal” disponibiliza informação sobre as condições económicas, políticas e jurídicas de Portugal.

A Macedo Vitorino & Associados lançou oficialmente esta quinta-feira, 1 de março, uma plataforma online “Why Portugal” destinada a investidores estrangeiros com informações económicas, políticas e jurídicas sobre Portugal.

Depois de ter preparado guias de investimento no país, a sociedade de advogados dispõe agora de uma ferramenta que inclui bases de dados de documentos e publicações, formulários oficiais e modelos de contratos e instruções que vão desde a obtenção de um visto gold à compra/arrendamento de uma casa no país.

Dividido nos tópicos “sobre Portugal”, “Viver em Portugal”, “Criação de empresas”, “Incentivos ao investimento”, “Fiscalidade”, “Direito Laboral”, “Propriedade Intelectual e Industrial”, “Imobiliário” e “Resolução de Litígios”, a “Why Portugal” pode ser consultada em dois idiomas: Português e Inglês.

“Acreditamos que a promoção do investimento deve começar por explicar de forma simples e acessível as condições económicas, políticas, sociais e jurídicas que interessam aos investidores. Através desta nova plataforma quisemos dar aos investidores acesso às nossas próprias ferramentas, disponibilizando também as minutas de contratos que nós próprios usamos”, afirma o sócio e coordenador do projeto, António de Macedo Vitorino.

Recomendadas

Portugal é o mercado externo mais atrativo para as sociedades de advogados de Espanha

Portugal é visto como um lugar prioritário e de elevado crescimento para as sociedades de advogados do país vizinho, em especial os da área jurídica, com as cidades de Lisboa e Porto a serem as mais procuradas.

Indico Capital captou 1,1 milhões de euros para a EatTasty com assessoria da Cuatrecasas

A Cuatrecasas assessorou a Indico Capital Partners no fecho de uma ronda de investimento seed (fase inicial) para a startup EatTasty, no valor de 1,1 milhões de euros.

Novas regras no sector imobiliário

Assiste-se a um aumento da burocracia e da responsabilidade das “Entidades Imobiliárias” que se vêem obrigadas elas próprias a promover o controlo e prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.
Comentários